ASSOBRAFIR Ciência
https://assobrafirciencia.org/article/doi/10.47066/2177-9333.AC.2022.0053
ASSOBRAFIR Ciência
Artigo Científico Original

Características clínicas e funcionais de adultos neurocríticos internados em UTI

Thamara Ferro Balsani Comin, Rayssa Bruna Holanda Lima, Flávia Manhani Muzette, Maurício Rodrigues Comin, Maryelle Desirée Cardoso Daniel, Karla Luciana Magnani Seki

Downloads: 2
Views: 162

Resumo

Introdução: pacientes com distúrbios neurológicos que necessitam de internação na Unidade de Terapia Intensiva podem desenvolver sequelas motoras, e a internação prolongada e a imobilidade podem piorar o quadro funcional. A Intensive Care Unit Mobility Scale (IMS) avalia os ganhos funcionais dos pacientes sob cuidados intensivos. Objetivo: analisar as características clínicas e funcionais de adultos neurocríticos internados em UTI. Método: estudo longitudinal, descritivo, de caráter retrospectivo, realizado por meio da análise de prontuários. Foram analisadas as características clínicas e funcionais dos participantes neurocríticos, incluindo o nível de consciência pela Escala de Coma de Glasgow (ECG) e da funcionalidade pela IMS. Resultados: foram incluídos 93 pacientes, divididos em dois grupos (grupo trauma e grupo clínico). 40 do grupo trauma (75% destes, vítimas de TCE por acidentes automobilísticos) e 53 do grupo clínico (66% destes, vítimas de AVC). Os pacientes do grupo clínico tiveram idade superior ao grupo trauma (p<0,001); ambos os grupos apresentaram melhora do nível de consciência (p<0,001); no grupo trauma a pontuação inicial da IMS foi de 3,0±2,0 e final de 4,0 ± 4,0 (p<0,001) e no grupo clínico, 2,5±2,5 e 3,5±3,0 (p<0,001). Além disso, a associação da IMS e ECG final apresentaram correlação positiva (r=0,735) e um valor de p<0,001. Conclusão: os dois grupos obtiveram uma melhora semelhante da funcionalidade e do nível de consciência, e o nível de consciência foi um fator contribuinte para a melhora da funcionalidade.

Palavras-chave

Cuidados Críticos; Lesões Encefálicas; Perfil de Saúde; Unidade de Terapia Intensiva

Referências

1. Caciano KRPS, Saavedra, JLI, Monteir, EL, Volpáti, NV, Amaral, TLM, Sacramento, DS, et al. Intervenções de enfermagem para pacientes neurocríticos. Rev Enferm UFPE. 2020;14:e243847. 

2. Alves NS, Paz FAN. Análise das principais sequelas observadas em pacientes vítimas de acidente vascular cerebral – AVC. Revista da FAESF. 2018;2(4):25-30. 

3. Matos, LRS, Martins, ÍLS, Candeias, DKL, Petzinger, KNB, Lessa, EA, Moreira, MB. Perfil epidemiológico e clínico de pacientes neurológicos em um hospital universitário. Rev Neurocienc. 2019;27(1):2-17.

4. Silva TH, Massetti, T, Silva, TD, Paiva, LS, Papa, DCR, Monteiro, CBM, et al. Influência da gravidade do traumatismo cranioencefalico na admissão hospitalar na evolução clínica. Fisioter Pesqui. 2018;25(1):3-8. http://dx.doi. org/10.1590/1809-2950/17019225012018. 

5. Pádua CS, Scherer, TAP, Prado, PR, Meneguetti, DUO, Bortolini, MJS. Perfil epidemiológico de pacientes com traumatismo crânioencefálico (TCE) de uma unidade de terapia intensiva na cidade de Rio Branco-AC, Amazônia Ocidental. South Am J Basic Educ, Tech Technol. 2018;5(1):125-36. 

6. Rodrigues MS, Santana LF, Silva EPG, Gomes OV. Epidemiologia de traumatismo craniencefálico em um hospital. Rev Soc Bras Clin Med. 2018;16(1):21-4. 

7. Silva, TH, Massetti, T, Silva, TD, Paiva, LS, Papa, DCR, Monteiro, CBM, et al. Influência da gravidade do traumatismo cranioencefalico na admissão hospitalar na evolução clínica. Fisioter Pesqui. 2018;25(1)3-8.

8. Freitas JV, Lima EO. Ocorrência de acidente vascular cerebral no Brasil segundo o DATASUS. Salvador: ABRAFIN; 2015. 

9. Bamford J, Sandercock P, Dennis M, Burn J, Warlow C. Classificações. In: Ministério da Saúde, editor. Manual de rotinas para atenção ao AVC. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2013. p. 23-26. 

10. Silva MACO. AVC e o género - perfil do doente com AVC e eventuais diferenças e semelhanças entre os sexos [dissertação]. Covilhã: Universidade da Beira Interior; 2012. 

11. Loureiro AB, Vivas MC, Cacho RO, Cacho EWA, Borges G. Evolução funcional de pacientes com hemorragia subaracnóidea aneurismática não traumática. Rev Bras Ciênc Saúde. 2015;19(2):123-8. http://dx.doi.org/10.4034/ RBCS.2015.19.02.06. 

12. Morais CCA, Mesquita FOS, Andrade FD, Correia MAV. Síndrome pós terapia intensiva. Programa de atualização em fisioterapia em terapia intensiva adulto: ciclo 8. Porto Alegre: Artmed Panamericana; 2016. 

13. Silva, CB, Brasil, ABS, Bonilha, DB, Masson, L, Ferreira, MS. Retorno à produtividade após reabilitação de pacientes deambuladores vítimas de trauma crânioencefálico. Fisioter Pesqui. 2008;15(1):6-11. 

14. Paiva DR, Guerreiro CF, Anjos JLM. Correlação entre desempenho funcional e o tempo de permanência de pacientes neurocirúrgicos na unidade de terapia intensiva. Rev Pesqui Fisioter. 2018;8(2):167-74. http://dx.doi. org/10.17267/2238-2704rpf.v8i2.1866. 

15. Santos F, Mandelli, PGB, Ostrowski, VR, Tezza, R, Dias, JS. Relação entre mobilização precoce e tempo de internação em unidade de terapia intensiva. Rev. Gestão e Saúde. 2015;6(2):1394-407. http://dx.doi.org/10.18673/ gs.v6i2.22475. 

16. Fuke R, Hifumi T, Kondo Y, Hatakeyama J, Takei T, Yamakawa K, et al. Early rehabilitation to prevent postintensive care syndrome in patients with critical illness: a systematic review and meta-analysis. BMJ Open. 2018;8(5):e019998. http:// dx.doi.org/10.1136/bmjopen-2017-019998. PMid:29730622. 

17. Okada, Y, Unoki, T, Matsuishi, Y, Egawa, Y, Hayashida, K, Inoue, S. Early versus delayed mobilization for inhospital mortality and health-related quality of life among critically ill patients: a systematic review and meta-analysis. J Intensive Care. 2019;7(57):2-9. 

18. Hodgson C, Needham D, Haines K, Bailey M, Ward A, Harrold M, et al. Feasibility and inter-rater reliability of the ICU Mobility Scale. Heart Lung. 2014;43(1):19-24. http://dx.doi. org/10.1016/j.hrtlng.2013.11.003. PMid:24373338. 

19. Ferreira LL. Escalas de avaliação funcional em terapia intensiva: revisão de literatura. Rev Aten Saúde. 2018;16(56):110-4. 

20. Hodgson CL, Berney S, Harrold M, Saxena M, Bellomo R. Clinical review: early patient mobilization in the ICU. Crit Care. 2013;17(1):207. http://dx.doi.org/10.1186/cc11820. PMid:23672747. 

21. Citerio G, Cormio M. Sedation in neurointensive care: advances in understanding and practice. Curr Opin Crit Care. 2003;9(2):120-6. http://dx.doi.org/10.1097/00075198- 200304000-00007. PMid:12657974. 

22. Beretta, L, Vitis, AD, Grandi E. Sedation in neurocritical patients: is it useful? Minerva Anestesiol. 2011;77(8):828-34. 

23. Tipping CJ, Bailey MJ, Bellomo R, Berney S, Buhr H, Denehy L, et al. The ICU mobility scale has construct and predictive validity and is responsive. A multicenter observational study. Ann Am Thorac Soc. 2016;13(6):887-93. http://dx.doi. org/10.1513/AnnalsATS.201510-717OC. PMid:27015233.

24. Knaus WA, Zimmerman JE, Wagner DP, Draper EA, Lawrence DE. APACHE-acute physiology and chronic health evaluation: a physiologically based classification system. Crit Care Med. 1981;9(8):591-7. http://dx.doi.org/10.1097/00003246- 198108000-00008. PMid:7261642. 

25. Teasdale G, Jennett B. Assessment of coma and impaired consciousness. A practical scale. Lancet. 1974;304(7872):81- 4. http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(74)91639-0. PMid:4136544. 

26. Vieira S. Introdução à bioestatística. 4ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2011. 345 p. 

27. Matos LRS, Martins, ÍLS, Candeias, DKL, Petzinger, KNB, Lessa, EA, Moreira, MB. Perfil epidemiológico e clínico de pacientes neurológicos em um hospital universitário. Rev Neurocienc. 2019;27:1-17. http://dx.doi.org/10.34024/ rnc.2019.v27.9737. 

28. Yi X, Luo H, Zhou J, Yu M, Chen X, Tan L, et al. Prevalence of stroke and stroke related risk factors: a population based cross sectional survey in southwestern China. BMC Neurol. 2020;20(1):5. http://dx.doi.org/10.1186/s12883-019-1592-z. PMid:31910820. 

29. Albuquerque AM, Silva HCL, Torquato IMB, Gouveia BLAG, Abrantes MSAP, Torres VSF. Vítimas de acidentes de moto com traumatismo. Rev Enferm. 2016;10(5):1730-8. 

30. Constâncio JF, Nery AA, Mota ECH, Santos CA, Cardoso MC, Constâncio TOS. Perfil clínico-epidemiológico de indivíduos com histórico de traumatismo cranioencefálico. Rev Baiana Enferm. 2018;32:e28235. http://dx.doi.org/10.18471/rbe. v32.28235. 

31. Moreno RP, Nassar APO Jr. APACHE II é uma ferramenta útil para pesquisa clínica? Rev Bras Ter Intensiva. 2017;29(3):264- 7. PMid:29044301. 

32. Santos MF, Silva TDCS, Carvalho FR, Barbosa RL, Santos LH, Matos EMM Jr. TCE em UTI: epidemiologia, tratamento e mortalidade no Maranhão, Brasil. Rev Bras Neurol Psiquiatr. 2019;23(1):46-56. 

33. Kawaguchi YMF. Validação cultural e confiabilidade das versões em português das escalas de mobilidade na UTI: Perme Intensive Care Unit Mobility Scale e Intensive Care Unit Mobility Scale (IMS). [dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2017. 

34. Camargo JBG, Cavenaghi OM, Mello JRC, Brito MVC, Ferreira LL. Mobilidade funcional de pacientes críticos em terapia intensiva: um estudo piloto. Rev Aten Saúde. 2020;18(63):14- 20. http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol18n63.6101. 

35. Hodgson CL, Bailey M, Bellomo R, Berney S, Buhr H, Denehy L, et al. A binational multicenter pilot feasibility randomized controlled trial of early goal-directed mobilization in the ICU. Crit Care Med. 2016;44(6):1145-52. http://dx.doi. org/10.1097/CCM.0000000000001643. PMid:26968024. 

36. Dietrich C, Leães CCS, Veiga GM, Rodrigues CS, Cunha LS, Santos LJ. Funcionalidade e qualidade de vida de pacientes internados na Unidade de Terapia Intensiva. ASSOBRAFIR Ciênc. 2014;5(1):41-51. 

37. Calles ACN, Almeida CM, Camilo LS, Oliveira AT Jr, Oliveira EAB. O impacto da hospitalização na funcionalidade e na força muscular após internamento em unidade de terapia intensiva. Interfaces Cient Saúde Ambiente. 2017;5(3):67-76. http://dx.doi.org/10.17564/2316-3798.2017v5n3p67-76. 

38. Gardner RC, Cheng J, Ferguson AR, Boylan R, Boscardin J, Zafonte RD, et al. Divergent six month functional recovery trajectories and predictors after traumatic brain injury: novel insights from the citicoline brain injury treatment trial Study. J Neurotrauma. 2019;36(17):2521-32. http://dx.doi. org/10.1089/neu.2018.6167. PMid:30909795.


Submetido em:
01/02/2021

Aceito em:
29/09/2022

636a5fffa953957c233fc613 assobrafir Articles
Links & Downloads

ASSOBRAFIR Ciência

Share this page
Page Sections