ASSOBRAFIR Ciência
https://assobrafirciencia.org/article/doi/10.47066/2177-9333.AC.2020.0041
ASSOBRAFIR Ciência
Artigo Científico Original

O Mecanismo de Insuflação-Exsuflação Pulmonar está associado a mudanças hemodinâmicas, tempo de internação e taxa de óbito em pacientes traqueostomizados: Estudo Clínico e randomizado?

Helen Barbosa Nobre Nunes, Karla Gonzatti, Larissa Pizza Collela, Tainã de Godoy Creace, Rayan Russo Ramos, Luciana Castilho de Figueiredo, Fernanda Monte Alegre Arakaki, Aline Maria Heidemann

Downloads: 4
Views: 208

Resumo

Introdução: O Mecanismo de Insuflação-Exsuflação Pulmonar é um recurso que objetiva higiene brônquica e pode ser utilizado em pacientes com via aérea artificial. Objetivo: Verificar se o uso de Mecanismo de Insuflação-Exsuflação pulmonar causa mudanças nos parâmetros hemodinâmicos em pacientes traqueostomizados internados em terapia intensiva. Métodos: Trata-se de um estudo clínico, randomizado e prospectivo. Os pacientes foram divididos em dois grupos: G1, grupo controle, realizado fisioterapia convencional; G2, grupo intervenção, realizado mecanismo de insuflação-exsuflação pulmonar. O dispositivo de insuflação-exsuflação pulmonar utilizado foi a máquina de tosse, cough assist® CA-3200 Phillips/Respironics, modo manual, com pressão de insuflação de 40 cmH2 O, pressão de exsuflação de - 40cmH2 O e fluxo 10L/segundo. Resultados: Foram incluídos 48 pacientes dividido em dois grupos, 24 pacientes no G1 e 24 pacientes no G2. A mediana de idade no G1 foi 61 [51-61] anos e no G2 62 [48-63] anos. As variáveis hemodinâmicas, pressão arterial média, frequência cardíaca e frequência respiratória, não tiveram mudanças estatisticamente significante tanto nos pacientes do grupo manobra de higiene brônquica (controle) e grupo mecanismo de insuflação-exsuflação (intervenção). Os pacientes alocados no grupo intervenção apresentaram maior necessidade de aspiração traqueal no primeiro dia da aplicação do protocolo. Com relação ao tempo de internação em terapia intensiva e internação hospitalar não foi observado diferença estatística entre os grupos. Conclusão: O uso de mecanismo de Insuflação-Exsuflação pulmonar não foi associado a alterações hemodinâmicas em pacientes traqueostomizados que estivessem usando ventilação mecânica.

Palavras-chave

Traqueostomia; Especialidade de Fisioterapia; Desmame do Respirador; Tosse; Hemodinâmica; Unidade de Terapia Intensiva.

Referências

1. Carvalho CRR. Pneumonia associada à ventilação mecânica. J Bras Pneumol. 2006;32(4):20-2. http://dx.doi.org/10.1590/ S1806-37132006001100003.

2. Fernández-Carmona A, Olivencia-Peña L, Yuste-Ossorio ME, Peñas-Maldonado L, Grupo de Trabajo de Unidad de Ventilación Mecánica Domiciliaria de Granada. Ineffective cough and mechanical mucociliary clearance techniques. Med Intensiva. 2018;42(2):50-9. PMid:28619528.

3. Vianna A, Palazzo RF, Aragon C. Traqueostomia: uma revisão atualizada. Pulmão RJ. 2011;20(3):39-42.

4. Dias CM, Siqueira TM, Faccio TG, Gontijo LC, Salge JA, Volpe MS. Efetividade e segurança da técnica de higiene brônquica: hiperinsuflação manual com compressão torácica. Rev Bras Ter Intensiva. 2011;23(2):190-8. http://dx.doi.org/10.1590/ S0103-507X2011000200012. PMid:25299720.

5. Gonçalves MR, Honrado T, Winck JC, Paiva JA. Effects of mechanical insufflation-exsufflation in preventing respiratory failure after extubation: a randomized controlled trial. Crit Care. 2012;16(2):R48. http://dx.doi.org/10.1186/ cc11249. PMid:22420538.

6. Branson RD. Secretion management in the mechanically ventilated patient. Respir Care. 2007;52(10):1328-42, discussion 1342-7. PMid:17894902.

7. Guérin C, Bourdin G, Leray V, Delannoy B, Bayle F, Germain M, et al. Performance of the cough assist insufflationexsufflation device in the presence of an endotracheal tube or tracheostomy tube: a bench study. Respir Care. 2011;56(8):1108-14. http://dx.doi.org/10.4187/ respcare.01121. PMid:21801577.

8. Homnick DN. Mechanical insufflation-exsufflation for airway mucus clearance. Respir Care. 2007;52(10):1296-305, discussion 1306-7. PMid:17894900.

9. Winck JC, Gonçalves MR, Lourenço C, Viana P, Almeida J, Bach JR. Effects of mechanical insufflation-exsufflation on respiratory parameters for patients with chronic airway secretion encumbrance. Chest. 2004;126(3):774-80. http:// dx.doi.org/10.1378/chest.126.3.774. PMid:15364756.

10. Bach JR. Mechanical insufflation/exsufflation: has it come of age? A commentary. Eur Respir J. 2003;21(3):385- 6. http://dx.doi.org/10.1183/09031936.03.00098702. PMid:12661989.

11. Marchant WA, Fox R. Postoperative use of a cough-assist device in avoiding prolonged intubation. Br J Anaesth. 2002;89(4):644-7. http://dx.doi.org/10.1093/bja/aef227. PMid:12393370.

12. Barros LS. Dispositivo mecânico que promove insuflação e exsuflação pulmonar [Dissertação]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 2008.

13. Nunes HBN, Gonzatti K, Collela LP, de Godoy Creace T, de Figueiredo LC, Tonella RM, et al. Is pulmonary insufflation and exsufflation mechanism effective in patients under intesive therapy? J Crit Care. 2017;42(387):387. http://dx.doi. org/10.1016/j.jcrc.2017.09.052.

14. Hissa PNG, Hissa MRN, Araújo PSR. Análise comparativa entre dois escores na previsão de mortalidade em unidade de terapia intensiva. Rev Soc Bras Clin Med. 2013;11(1):21-6.

15. Coutinho WM, Vieira PJC, Kutchak FM, Dias AS, Rieder MM, Forgiarini LA Jr. Comparison of mechanical insufflationexsufflation and endotracheal suctioning in mechanically ventilated patients: effects on respiratory mechanics, hemodynamics, and volume of secretions. Indian J Crit Care Med. 2018;22(7):485-90. http://dx.doi.org/10.4103/ijccm. IJCCM_164_18. PMid:30111922.

16. Romeu JDM, Alejos RM, Bassi GL, Diaz XP, Yang H, Pagliara F, et al. Safety of cough assist set at different pressure levels in an animal model of mechanical ventilation. European Respiratory Care. 2018;52:1411.


Submetido em:
13/10/2021

Aceito em:
22/12/2021

6255f928a9539554e90fa2a3 assobrafir Articles
Links & Downloads

ASSOBRAFIR Ciência

Share this page
Page Sections