ASSOBRAFIR Ciência
https://assobrafirciencia.org/article/doi/10.47066/2177-9333.AC.2020.0032
ASSOBRAFIR Ciência
Artigo Científico Original

Síndrome de Burnout e qualidade de vida em fisioterapeutas intensivistas do Estado de Sergipe

Yago Alves Lima, Mariana Andrade Dantas, Lucas Aragão da Hora Almeida, Fernanda Oliveira de Carvalho, Carlos José Oliveira de Matos

Downloads: 4
Views: 85

Resumo

Introdução: A Unidade de Terapia Intensiva é um ambiente considerado estressante, podendo afetar a qualidade de vida do fisioterapeuta intensivista e originar a Síndrome de Burnout. Objetivo: Avaliar a presença de Síndrome de Burnout, a qualidade de vida e a correlação com carga horária. Métodos: Estudo transversal realizado com 56 fisioterapeutas atuantes em UTIs do estado de Sergipe. Foram aplicadas duas escalas, o Medical Outcomes Short-Form Health Survey que avalia qualidade de vida e o Maslach Burnout Inventory que avalia a Síndrome de Burnout, e um questionário sociodemográfico. Resultados: O sexo feminino foi mais prevalente, com 80,3% da amostra, a média de idade foi 31,6±5,6 anos. Na qualidade de vida, o domínio mais afetado foi Dor com uma mediana de 62,0 pontos. Na escala para Síndrome de Burnout, a Exaustão emocional teve média de 28,9±5,9 pontos com pontuação correspondente a alto nível em 62,5% da amostra; a média de pontos em Realização profissional foi de 15,1±3,7 pontos, com alto nível de pontuação em 100% da amostra; e a Despersonalização obteve uma média de pontos de 17,05±2,9 com alto nível de pontuação, presente em 92,8% dos fisioterapeutas. A qualidade de vida e a Síndrome de Burnout não se correlacionaram com carga horária. Conclusão: Exaustão emocional, Despersonalização e Realização profissional atingiram pontuação equivalente a nível médio e alto em grande proporção. A Vitalidade o domínio mais afetado da qualidade de vida. Não houve correlação com carga horária

Palavras-chave

Unidades de Terapia Intensiva; Esgotamento Profissional; Serviço Hospitalar de Fisioterapia; Fisioterapeutas; Estresse Ocupacional.

Referências

1. Loiola NSR, Soares GL, Gonçalves ADS. O papel de um enfermeiro de uma unidade de terapia intensiva na hemodiálise. Rev Uningá. 2017;31(1):40-4.

2. Alves AN. A importância da atuação do fisioterapeuta no ambiente hospitalar. Ens Cienc. 2014;16(6):173-84.

3. Barth AA, Weigel BD, Dummer CD, Machado KC, Tisott TM. Estressores em familiares de pacientes internados na unidade de terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2016;28(3):323-9. PMid:27737424.

4. Cabral JVB, Neves SC, Oliveira FHPC. Estresse dos profissionais de enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Diálogos Acad. 2016;11(2):33-42.

5. Dias FM, Santos JFC, Abelha L, Lovisi GM. O estresse ocupacional e a síndrome do esgotamento profissional (burnout) em trabalhadores da indústria do petróleo: uma revisão sistemática. Rev Bras Saúde Ocup. 2016;41(11):1-12. http://dx.doi.org/10.1590/2317-6369000106715.

6. Prado CEP. Estresse ocupacional: causas e consequências. Rev Bras de Medicina do Trabalho. 2016;14(3):285-9. http:// dx.doi.org/10.5327/Z1679-443520163515.

7. Santos CLC, Nascimento CL So, Barbosa GB. Síndrome de Burnout em fisioterapeutas intensivistas: uma revisão sistemática. Rev Pesq Fisioter. 2017;7(1):103-14. http:// dx.doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v7i1.1099.

8. WHO: World Health Organization [Internet]. Burn-out na “occupational phenomenon: International Classification of Diseases. Switzerland: WHO; 2019 [citado em 2019 Out 27]. Disponível em: https://www.who.int/mental_health/ evidence/burn-out/en/

9. Pimenta FA, Simil FF, Tôrres HO, Amaral CF, Rezende CF, Coelho TO,  et  al. Avaliação da qualidade de vida de aposentados com a utilização do questionário SF-36. Rev Assoc Med Bras. 2008;54(1):55-60. http://dx.doi. org/10.1590/S0104-42302008000100021. PMid:18392487.

10. Silva RAD, Araújo B, Morais CCA, Campos SL, Andrade AD, Brandão DC. Síndrome de Burnout: realidade dos fisioterapeutas intensivistas? Rev Fisioter Pesq. 2018;25(4):388-94. http://dx.doi.org/10.1590/1809- 2950/17005225042018.

11. Ciconelli RM, Ferraz MB, Santos W, Meinão I, Quaresma MR. Tradução para a língua portuguesa e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida SF-36 (Brasil SF-36). Rev Bras Reumatol. 1999;39(3):143-50. 12. Gonzaga LA. Validação do Maslach Burnout Inventory em Língua Portuguesa: uma investigação estatística sobre a síndrome de Burnout [dissertação]. São Paulo: Programa de Pós-graduação em Administração de Empresas, UniFecap; 2003.

13. Nozawa E, Sarmento GJV, Vega JM, Costa D, Silva JEP, Feltrim MIZ. Perfil de fisioterapeutas brasileiros que atuam em unidades de terapia intensiva. Rev Fisioter Pesq. 2008;15(2):177-82. http://dx.doi.org/10.1590/S1809- 29502008000200011.

14. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução nº 7 de 24 de fevereiro de 2010. Diário Oficial da União; Brasília; 2010.

15. Santos LFO, Chahud KDH, Gomes M No, Almeida MLO. Perfil dos fisioterapeutas que atuam em unidades de terapia intensiva na cidade de Salvador/Bahia [trabalho de conclusão da pós-graduação em fisioterapia hospitalar]. Salvador: Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública; 2014 [citado em 2019 Out 27]. Disponível em: http://www7. bahiana.edu.br/jspui/handle/bahiana/300

16. Yeole UL, Chand AR, Nandi BB, Gawali PP, Adkitte RG. Physiotherapy practices in Intensive Care Units across Maharashtr. Indian J Crit Care Med. 2015;19(11):669- 73. http://dx.doi.org/10.4103/0972-5229.169346. PMid:26730119.

17. Brasil. Lei nº 8856 de 01 de março de 1994. Diário Oficial da União; Brasília; 1994.

18. Malone D, Ridgeway K, Nordon-Craft A, Moss P, Schenkman M, Moss M. Physical therapist practice in the intensive care unit: results of a national survey. Phys Ther. 2015;95(10):1335- 44. http://dx.doi.org/10.2522/ptj.20140417. PMid:26045604.

19. Moss M, Good VS, Gozal D, Kleinpell R, Sessler CN. An official critical care societies collaborative statement: Burnout syndrome in critical care healthcare professionals: a call for action. Crit Care Med. 2016;44(7):1414-21. http://dx.doi. org/10.1097/CCM.0000000000001885. PMid:27309157.

20. Losa Iglesias ME, Bengoa Vallejo RB. Prevalence and relationship between Burnout, job satisfaction, stress, and clinical manifestations in Spanish critical care nurses. Dimens Crit Care Nurs. 2013;32(3):1307. http://dx.doi. org/10.1097/DCC.0b013e31828647fc. PMid:23571196.

21. Almeida LA, Medeiros IDS, Barros AG, Martins CCF, Santos VEP. Fatores geradores da síndrome de Burnout em profissionais da saúde. Rev Fund Care Online. 2016;8(3):4623-8.

22. Freire CB, Dias RF, Schwingel PA, França EET, Andrade FMD, Costa EC, et al. Qualidade de vida e atividade física em profissionais de terapia intensiva do sub médio São Francisco. Rev Bras Enferm. 2015;68(1):26-31. http://dx.doi. org/10.1590/0034-7167.2015680104p. PMid:25946491.

23. Nascimento CP, Miranda VC, Ferreira JB, Moraes KCS. Síndrome de Burnout em fisioterapeutas intensivistas. Rev Pesq Fisioter. 2017;7(2):188-98. http://dx.doi. org/10.17267/2238-2704rpf.v7i2.1302.

24. Carvahais FR, Aguilar AMM, Mendonça RL, Ottano C. Frequência da Síndrome de Burnout em unidade de terapia intensiva: uma perspectiva multiprofissional. Rev Pre de Infec e Saúde. 2015;1(4):1-10. http://dx.doi.org/10.26694/ repis.v1i4.4271.

25. Timenetsky KT, Castro CA, Eid RC, Carnieli-Cazati D. Prevalence of burnout syndrome among physiotherapist working in intensive care units and stepdown unit. Intensive Care Med Exp. 2015;3(Supl 1):A722. http://dx.doi. org/10.1186/2197-425X-3-S1-A722.

26. Hoppen CMS, Kissmann N, Chinelato JR, Coelho VP, Wenczenovicz C, Nunes FCL,  et  al. High prevalence of burnout syndrome among intensivists of the city of Porto Alegre. Rev Bras Ter Intensiva. 2017;29(1):115-20. http:// dx.doi.org/10.5935/0103-507X.20170017. PMid:28444081.

27. Barbosa FT, Eloi RJ, Santos LM, Leão BA, Lima FJC, Souza-Rodrigues CF. Correlação entre a carga horária semanal de trabalho com a síndrome de burnout entre médicos anestesiologitas de Maceió-AL. Rev Bras Anestesiol. 2017;67(2):115-21. http://dx.doi.org/10.1016/j. bjan.2015.06.001. PMid:27062888.

28. Novais RN, Rocha LM, Eloi RJ, Santos LM, Ribeiro MV, Ramos FW, et al. Prevalência da síndrome de burnout em cirurgiões plantonistas de um hospital de referência para trauma e sua correlação com carga horária semanal de trabalho: estudo transversal. Rev Col Bras Cir. 2016;46(5):314-9. PMid:27982323.


Submetido em:
12/03/2021

Aceito em:
21/09/2021

616714fda95395690d5162d2 assobrafir Articles
Links & Downloads

ASSOBRAFIR Ciência

Share this page
Page Sections