ASSOBRAFIR Ciência
https://assobrafirciencia.org/article/doi/10.47066/2177-9333.AC.2020.0017
ASSOBRAFIR Ciência
Artigo Científico Original

Análise da capacidade funcional de pacientes cardiopatas na fase I da reabilitação em um hospital público terciário do Distrito Federal

João Paulo Pedro da Silva, Isabela Monteiro Custódio Maciel, Thaís Gontijo Ribeiro

Downloads: 9
Views: 827

Resumo

Introdução: As doenças cardiovasculares são responsáveis por mais de 30% dos óbitos no mundo, sendo um problema de saúde pública que gera limitações na capacidade funcional. Objetivo: Analisar a capacidade funcional de pacientes cardiopatas na Fase I da reabilitação e comparar a função motora na admissão e na alta hospitalar. Métodos: Trata-se de um estudo observacional transversal retrospectivo, cujos dados foram obtidos por prontuários eletrônicos. Foram incluídos prontuários de pacientes de ambos os sexos, maiores de 18 anos, internados na enfermaria cardiológica de um hospital público terciário do Distrito Federal, em maio de 2019 e maio de 2020. Resultados: Foram elegíveis 189 prontuários, houve maior prevalência do sexo masculino (60,8%), a média de idade foi de 63,8±12,74 anos, tiveram uma média de internação de cerca de 19±21,23 dias e de 13±25,13 sessões de fisioterapia. Entre os fatores de risco não modificáveis o mais frequente foi hipertensão arterial sistêmica (79,4%), e entre os modificáveis, o de maior prevalência foi o tabagismo (15,3%) seguido de etilismo (13,8%). O procedimento cirúrgico mais realizado foi o cateterismo (114 dos procedimentos totais). Por meio de análise estatística, o teste de Wilcoxon demonstrou diferença estatística entre a admissão e alta na análise da escala ICU Mobility Scale (Z -3,302 e p=0,001), o que não ocorreu na análise da escala Medical Research Council (Z -0,221 e p=0,821). Conclusão: Ocorreu melhora da mobilidade na alta hospitalar quando comparada à admissão, o que demonstra o impacto da fisioterapia na capacidade funcional destes pacientes cardiopatas.

Palavras-chave

Cardiopatias; Fisioterapia; Reabilitação; Força Muscular.

Referências

1. Braig S, Peter R, Nagel G, Hermann S, Rohrmann S, Linseisen J. The impact of social status inconsistency on cardiovascular risk factors, myocardial infarction and stroke in the EPICHeidelberg cohort. BMC Public Health. 2011;11:104. http:// dx.doi.org/10.1186/1471-2458-11-104. PMid:21324154.

2. Schmidt MI, Duncan BB, Azevedo e Silva G, Menezes AM, Monteiro CA, Barreto SM, et al. Chronic non-communicable diseases in Brazil: burden and current challenges. Lancet. 2011;377(9781):1949-61. http://dx.doi.org/10.1016/S0140- 6736(11)60135-9. PMid:21561658.

3. Nascimento BR, Brant LCC, Oliveira GMM, Malachias MVB, Reis GMA, Teixeira RA, et al. Cardiovascular disease epidemiology in Portuguese-speaking countries: data from the global burden of disease, 1990 to 2016. Arq Bras Cardiol. 2018;110(6):500-11. http://dx.doi.org/10.5935/ abc.20180098. PMid:30226906.

4. Barbosa RMSP. Resenha do livro “Atividade Física, Saúde e Qualidade de Vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo”, de Markus Vinicius Nahas. Rev Bras Ciênc Esporte. 2012;34(2):513-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0101- 32892012000200018.

5. Moraes RS, Rodrigues R, De Castro T, Stein R, Serra SM, De Carvalho T. Diretriz de reabilitação cardíaca. Arq Bras Cardiol. 2005;84:431-40.

6. Martin BJ, Arena R, Haykowsky M, Hauer T, Austford LD, Knudtson M,  et  al. Cardiovascular fitness and mortality after contemporary cardiac rehabilitation. Mayo Clin Proc. 2013;88(5):455-63. http://dx.doi.org/10.1016/j. mayocp.2013.02.013. PMid:23639499.

7. Karaszewski D. Comparison of two models of hospital rehabilitation in patients after coronary artery bypass grafting. Kardiochir Torakochirurgia Pol. 2014;11(1):86-9. http://dx.doi.org/10.5114/kitp.2014.41940. PMid:26336403.

8. Carvalho T, Cortez AA, Ferraz A, Nóbrega ACL, Brunetto AF, Herdy AH, et al. Reabilitação cardiopulmonar e metabólica: aspectos práticos e responsabilidades. Rev Bras Med Esporte. 2005;11(6):313-8. http://dx.doi.org/10.1590/S1517- 86922005000600002.

9. Ferreira NA, Lopes AJ, Ferreira AS, Ntoumenopoulos G, Dias J, Guimaraes FS. Determination of functional prognosis in hospitalized patients following an intensive care admission. World J Crit Care Med. 2016;5(4):219-27. http://dx.doi. org/10.5492/wjccm.v5.i4.219. PMid:27896146.

10. Kawaguchi YM, Nawa RK, Figueiredo TB, Martins L, PiresNeto RC. Perme intensive care unit mobility score and ICU mobility scale: translation into Portuguese and cross-cultural adaptation for use in Brazil. J Bras Pneumol. 2016;42(6):429- 34. http://dx.doi.org/10.1590/s1806-37562015000000301. PMid:28117473.

11. Klahr PDS, Soares Rocha Oliveira KF, Coronel CC. Perfil epidemiológico e clínico de pacientes encaminhados para Reabilitação Cardiopulmonar e Metabólica fase II. Rev FisiSenectus. 2019;6(2):26-37. http://dx.doi.org/10.22298/ rfs.v6i2.4541.

12. Muela S, Cotchi H, Bassan R, Serra SM. Benefícios da reabilitação cardíaca. Rev Bras Cardiol. 2011;24(4):241-50.

13. Silva BCA, Amorim D, Salício VAMM, Salício MA, ShimoyaBittencourt W. Avaliação da funcionalidade respiratória em pacientes com tempo prolongado de internação hospitalar. J Heal Sci Inst. 2014;32(4):433-8.

14. Barbosa AA, Lima Aires Gomes GP, Roieski IM, Ribeiro Rodrigues ES, Silva Carlotto Herrera SD. Prevalence of cardiovascular risk factors among hypertensive military police officers. Rev Enferm UFPE line. 2011;5(10):2374-82. http:// dx.doi.org/10.5205/reuol.2133-15571-1-LE.0510201106.

15. Dordetto PR, Pinto GC, Rosa TCSC. Pacientes submetidos à cirurgia cardíaca: caracterização sociodemográfica, perfil clínico-epidemiológico e complicações. Rev da Fac Ciências Médicas Sorocaba. 2016;18(3):144-9. http://dx.doi. org/10.5327/Z1984-4840201625868.

16. Sousa SM, Bernardino E, Vicelli RMM, Kalinowski CE. Perfil de pacientes submetidos ao cateterismo cardíaco: subsídio para prevenção de fatores de risco cardiovascular. Cogitare Enferm. 2014;19(2):304-8.

17. Wajner A, Zuchinali P, Olsen V, Polanczyk CA, Rohde LE. Causes and Predictors of In-Hospital Mortality in Patients Admitted with or for Heart Failure at a Tertiary Hospital in Brazil. Arq Bras Cardiol. 2017 Out;109(4):321-30. PMid:28977049.

18. Regenga M M. Fisioterapia em cardiologia - da unidade de terapia intensiva à reabilitação. São Paulo: Roca; 2000. 292 p.

19. Mochel EG, Andrade CF de, Almeida DS de, Tobias AF, Cabral R, Cossetti RD. Avaliação do tratamento e controle da hipertensão arterial sistêmica em pacientes da rede pública em São Luis (MA). Rev baiana saúde pública. 2007;31(1);90- 101.

20. Vargas MHM, Vieira R, Balbueno RC. Atuação Da Fisioterapia Na Reabilitação Cardíaca Durante As Fases I E Ii – Uma Revisão Da Literatura. Rev Context Saúde. 2016;16(30):85. http://dx.doi.org/10.21527/2176-7114.2016.30.85-91.

21. De Souza K, Córdova PA, De Carvalho JC. Adequações dos dispositivos de oxigenoterapia em enfermaria hospitalar avaliadas por oximetria de pulso e gasometria arterial Resumo A oxigenoterapia consiste na administração de oxigênio acima da concentração ambiental. ASSOBRAFIR Ciência. 2014;5(1):53-64.

22. Watanabe CS, de Andrade LFC, da Silva MQ No, dos Santos SFT, Kawata LS. Oxigenoterapia domiciliar prolongada: perfil dos usuários e custos. Rev Enferm. 2015;23(1):95-101.

23. Quintão M, Bastos AF, da Silva LM, Bernardez S, Martins W A, Mesquita ET, et al. Ventilação não Invasiva na Insuficiência Cardíaca. Rev da SOCERJ. 2009;22(6):387-97.

24. Bittencourt HS, Reis HF, Lima MS, Gomes M No. Non-invasive ventilation in patients with heart failure: a systematic review and meta-analysis. Arq Bras Cardiol. 2017 Fev;108(2):161-8. PMid:28099587.

25. Soares GMT, Ferreira DCDS, Gonçalves MPC, Alves TG S, David FL, Henriques KM C, et al. Prevalência das principais complicações pós-operatórias em cirurgias cardíacas. Rev Bras Cardiol. 2011;24(3):139-46.

26. Orzechowski R, Galvão AL, Nunes TS, Campos LS. Palliative care need in patients with advanced heart failure hospitalized in a tertiary hospital. Rev Esc Enferm USP. 2019;53:1-6. http://dx.doi.org/10.1590/s1980-220x2018015403413. PMid:30726335.

27. Brant LCC, Nascimento BR, Passos VMA, Duncan BB, Bensenõr IJM, Malta DC, et al. Variações e diferenciais da mortalidade por doença cardiovascular no Brasil e em seus estados, em 1990 e 2015: Estimativas do Estudo Carga Global de Doença. Rev Bras Epidemiol. 2017;20(Suppl 1):116- 28. http://dx.doi.org/10.1590/1980-5497201700050010. PMid:28658377.


Submetido em:
26/11/2020

Aceito em:
24/05/2021

60cb2e88a953955c83208ec4 assobrafir Articles
Links & Downloads

ASSOBRAFIR Ciência

Share this page
Page Sections