ASSOBRAFIR Ciência
https://assobrafirciencia.org/article/doi/10.47066/2177-9333.AC.2020.0015
ASSOBRAFIR Ciência
Artigo Científico Original

Correlação entre mobilidade toracoabdominal, força muscular respiratória, pico de fluxo de tosse e as complicações pulmonares no pós-operatório de cirurgias abdominais

Ingrid Stefany Bittencourt, Matheus Rocha Martin, Priscila Santos Soares, Marilucia Reis dos Santos, Júlio David Nascimento da Rocha, Jorge Luis Motta dos Anjos, Fabiane Costa Santos Fontoura, Caroline Ferreira Guerreiro

Downloads: 11
Views: 685

Resumo

Introdução: Cirurgias abdominais comumente comprometem a biomecânica respiratória, o que pode resultar em diversas complicações pulmonares pós-operatórias. Objetivo: Verificar a correlação entre mobilidade toracoabdominal, força muscular respiratória, pico de fluxo de tosse e as complicações pulmonares no pós-operatório de cirurgias abdominais. Métodos: Trata-se de um estudo observacional, transversal, com amostra por conveniência de pacientes submetidos a cirurgias abdominais, adultos, de ambos os sexos, internados em unidades de terapia intensiva (UTI) de um hospital da rede pública estadual em Salvador-BA. Foram utilizados a cirtometria (axilar, xifoide e umbilical), a manovacuometria e o pico de fluxo de tosse (PFT) para avaliar a função respiratória. Para análise da correlação entre as três variáveis foi utilizado o coeficiente de Spearman. Resultados: A amostra foi composta por 19 pacientes, sendo 13 (68,4%) do sexo masculino com média de idade de 53,89± 20,91 anos. Verificou-se redução da mobilidade toracoabdominal (< 4cm), da força muscular respiratória (PImáx 44,47 ±20,13 cmH2O, PEmáx 48,16 ±25,34 cmH2O) e do PFT (137,1 ± 87,1 L/min) nos indivíduos estudados, contudo não houve diferença entre os grupos com e sem complicações pulmonares, assim como não houve correlação entre as variáveis respiratórias e as complicações pulmonares pós-operatórias. Conclusão: Indivíduos submetidos a cirurgias abdominais, mesmo as de baixa incisão, apresentam redução da mobilidade toracoabdominal, força muscular respiratória e capacidade de tossir, contudo não há correlação entre as variáveis respiratórias e as complicações pulmonares no momento pós-operatório

Palavras-chave

Teste de Função Pulmonar; Complicações Pós Operatórias; Força Muscular.

Referências

1. Kumar AS, Alaparthi GK, Augustine AJ, Pazhyaottayil ZC, Ramakrishna A, Krishnakumar SK. Comparison of flow and volume incentive spirometry on pulmonary function and exercise tolerance in open abdominal surgery: A randomized clinical trial. J Clin Diagn Res. 2016;10(1):KC01- 06. PMid:26894090.

2. Ávila AC, Fenili R. Incidência e fatores de complicações pulmonares pós-operatórias em pacientes submetidos à cirurgias de tórax e abdomen. Rev. Col. Bras. 2017;44(3):284- 92. http://dx.doi.org/10.1590/0100-69912017003011.

3. Langeron O, Carreira S, Ie Saché F, Raux M. Postoperative pulmonary complications updating. Ann Fr Anesth Reanim. 2014;33(7-8):480-3. http://dx.doi.org/10.1016/j. annfar.2014.07.741. PMid:25168300.

4. Zraier S, Haouache H, Dhonneur G. Which preoperative respiratory evaluation? Ann Fr Anesth Reanim. 2014;33(7- 8):453-6. http://dx.doi.org/10.1016/j.annfar.2014.07.743. PMid:25168302.

5. Yang CK, Teng A, Lee DY, Rose K. Pulmonary complications after major abdominal surgery: National Surgical Quality Improvement Program analysis. J Surg Res. 2015;198(2):441-9. http://dx.doi.org/10.1016/j.jss.2015.03.028. PMid:25930169.

6. Boden I, Browning L, Skinner EH, Reeve J, El-Ansary D, Robertson IK,  et  al. The LIPPSMACK POP (Lung Infection Prevention Post Surgery - Major Abdominal - with Pre-Operative Physiotherapy) trial: study protocol for a multi-centre randomised controlled trial. Trials. 2015;16(1):573-88. http://dx.doi.org/10.1186/s13063-015- 1090-6. PMid:26666321.

7. Bastos LC, Pereira PC, Moraes FC, Oliveira LHS. Pressões inspiratoria e expiratoria maximas no pré e pós-operatório de cirugias abdominais altas. Rev Univ Vale Rio Verde. 2018;16(1):1. http://dx.doi.org/10.5892/ruvrd.v16i1.3639.

8. Karcz M, Papadakos PJ. Respiratory complications in the postanesthesia care unit: A review of pathophysiological mechanisms. Can J Respir Ther. 2013;49(4):21-9. PMid:26078599.

9. Miskovic A, Lumb AB. Postoperative pulmonar complications. Br J Anaesth. 2017;118(3):317-34. http://dx.doi.org/10.1093/ bja/aex002. PMid:28186222.

10. Sanguineti VA, Wild JR, Fain MJ. Management of postoperative complications: general approach. Clin Geriatr Med. 2014;30(2):261-70. http://dx.doi.org/10.1016/j. cger.2014.01.005. PMid:24721365.

11. Fernandes SCS, Santos RS, Giovanetti EA, Taniguchi C, Silva CSM, Eid RAC, et al. Impact of respiratory therapy in vital capacity and functionality of patients undergoing abdominal surgery. Einstein (Sao Paulo). 2016;14(2):202-7. http://dx.doi. org/10.1590/S1679-45082016AO3398. PMid:27462894.

12. Taylor A, DeBoard Z, Gauvin JM. Prevention of postoperative pulmonary complications. Surg Clin North Am. 2015;95(2):237-54. http://dx.doi.org/10.1016/j. suc.2014.11.002. PMid:25814104.

13. Kakizak IF, Shibuya M, Yamazaki T, Yamada M, Suzuki H, Homma L. Preliminary report on the effects of respiratory muscle stretch gymnastics on chest wall mobility in patients with chronic obstructive pulmonary disease. Respir Care. 1999;44:409-14.

14. Tasca C, Schuster RC, Alvarenga LFC. Força muscular respiratória e mobilidade torácica em portadores de doença de Parkinson. Rev. enferm. Atenção Saúde. 2014;12(42):5- 10.

15. Basso RP, Regueiro EMG, Jamami M, Di Lorenzo VAP, Costa D. Relação da medida da amplitude tóraco-abdominal de adolescentes asmáticos e saudáveis com seu desempenho físico. Fisioter Mov. 2011;24(1):107-14. http://dx.doi. org/10.1590/S0103-51502011000100012.

16. Ramos ML, Neves DR, Lima VP, Orsini M, Machado D, Bastos VHV, et al. Análise de parâmetros pneumofuncionais em pacientes com doença de Parkinson: estudo piloto. Rev Bras Neurol. 2014;50(2):38-43.

17. Costa D, Gonçalves HA, Lima LP, Ike D, Cancelliero KM, Montebelo MIL. Novos valores de referência para pressões respiratórias máximas na população brasileira. J Bras Pneumol. 2010;36(3):306-12. http://dx.doi.org/10.1590/ S1806-37132010000300007. PMid:20625667.

18. Souza FSP, Silva BG, Echevarria LB, Silva AA, Pessoti E, Forti EMP. Fisioterapia respiratória associada à pressão positiva nas vias aéreas na evolução pós-operatória da cirurgia bariátrica. Fisioter Pesqui. 2012;19(3):204-9. http://dx.doi. org/10.1590/S1809-29502012000300003.

19. Freitas FS, Parreira VF, Ibiapina CC. Aplicação clínica do pico de fluxo da tosse: uma revisão de literatura. Fisioter Mov. 2010;23(3):495-502. http://dx.doi.org/10.1590/S0103- 51502010000300016.

20. Portney LG, Watkins MP. Foundations of Clinical Research – Applications to Practice. 1997; Connecticut, USA: Appleton & Lange.

21. Scheeren CFC, Goncalves JJS. Avaliação comparativa da função ventilatória através do pico de fluxo expiratório no pré e pós-operatório imediatos de pacientes submetidos a procedimentos cirúrgicos eletivos de andar superior de abdome. Rev Col Bras Cir. 2016;43(3):165-70. http://dx.doi. org/10.1590/0100-69912016003007. PMid:27556540.

22. Rocatto GEGD, Oliveira HJC, Segundo AS, Da Silva AMC, Neto EM, Nasrala MLS. Fisioterapia respiratória no pós-operatório imediato de colecistectomia convencional. Fisioterapia Brasil. 2014;15(3):195-9.

23. Rê A, Ono LM, Gram ST, Saltiel RV, Shivinski CIS, Matte DL,  et  al. Repercussões da colecistectomia aberta na mobilidade diafragmática e toracoabdominal. RBM. 2012;69(10):261-6.

24. Trevisan ME, Soares JC, Rondinel TZ. Efeitos de duas técnicas de incentivo respiratório na mobilidade tóraco abdominal após cirurgia abdominal alta. Fisioter Pesqui. 2010;17(4):322- 6. http://dx.doi.org/10.1590/S1809-29502010000400007.

25. Caldeira VS, Starling CC, Britto RR, Martins JA, Sampaio RF, Parreira VF. Reliability and accuracy of cirtometry in healthy adults. J Bras Pneumol. 2007;33(5):519-26. http://dx.doi. org/10.1590/S1806-37132007000500006. PMid:18026649.

26. Veloso APLR, Cusmanich KC. Avaliação da mobilidade toracoabdominal dos obesos no pré-operatório de cirurgia bariátrica. ABCD Arq. Bras. Cir. Dig. 2016;29(1):39- 42. http://dx.doi.org/10.1590/0102-6720201600s10011. PMid:27683774.

27. Santos CA, Rabelo BAS, Borges DL, Silva TM. Avaliação da força muscular respiratória de pacientes submetidos à colecistectomia videolaparoscópica. ASSOBRAFIR Ciência. 2016;7(1):35-42.

28. Colucci DB, Fiore JF Jr, Paisani DM, Risso TT, Colucci M, Chiavegato LD,  et  al. Cough Impairment and Risk of Postoperative Pulmonary Complications After Open Upper Abdominal Surgery. Respir Care. 2015;60(5):673-8. http:// dx.doi.org/10.4187/respcare.03600. PMid:25669217.

29. Oliveira MA, Vidotto MC, Nascimento AO, Almeida R, Santoro IL, Sperandio EF, et al. Avaliação dos volumes pulmonares, capacidade vital e força dos músculos respiratórios no pós-operatório de cirurgia na coluna cervical, torácica e lombar. Sao Paulo Med J. 2015;133(5):388-93. http://dx.doi. org/10.1590/1516-3180.2014.00252601. PMid:26648426.

30. Haines KJ, Skinner EH, Berney S, and the Austin Health POST Study Investigators. Association of postoperative pulmonary complications with delayed mobilisation following major abdominal surgery: an observational cohort study. Physiotherapy. 2013;99(2):119-25. http://dx.doi. org/10.1016/j.physio.2012.05.013. PMid:23219632.

31. Silva DR, Gazzana MB, Knorst MM. Valor dos achados clínicos e da avaliação funcional pulmonar pré-operatórios como preditores das complicações pulmonares pós-operatórias. Rev Assoc Med Bras. 2010;56(5):551-7. http://dx.doi. org/10.1590/S0104-42302010000500016. PMid:21152827.


Submetido em:
12/11/2020

Aceito em:
09/04/2021

60d22a57a953954acd755c54 assobrafir Articles
Links & Downloads

ASSOBRAFIR Ciência

Share this page
Page Sections