ASSOBRAFIR Ciência
https://assobrafirciencia.org/article/doi/10.47066/2177-9333.AC.2020.0003
ASSOBRAFIR Ciência
Artigo Científico Original

Avaliação do contexto de trabalho em terapia intensiva na percepção de fisioterapeutas

Gustavo de Jesus Pires da Silva, Pedro Antonio Muniz Ferreira, Rute Pires Costa, Cristiane Martins Serra Pires, Louise Aline Romão Gondim, José Pedro da Silva Sousa

Downloads: 1
Views: 132

Resumo

Introdução: os fisioterapeutas que trabalham em unidade de terapia intensiva (UTI) estão expostos a risco de adoecimento em virtude de particularidades do contexto de trabalho nesse setor. Objetivo: investigar o contexto de trabalho em terapia intensiva na perspectiva da saúde do trabalhador e no processo saúde-doença. Métodos: estudo transversal, descritivo, realizado com 20 fisioterapeutas de duas UTI´s Adulto, selecionadas por conveniência, pertencentes à rede hospitalar privada de São Luís - Maranhão. Para coleta de dados foi utilizada a Escala de Avaliação do Contexto do Trabalho (EACT). Esta divide-se em três fatores: relações sócio-profissionais, organização do trabalho e condições de trabalho. Resultados: notou-se predomínio do sexo feminino, média de idade 28,55 ± 3,45 anos e profissionais com carga horária semanal de trabalho de 30 a 60h. Dentre os 31 itens da EACT, um indicou avaliação negativa (existe forte cobrança por resultados) e oito itens indicaram avaliação moderada, crítica (o ritmo de trabalho é excessivo; as tarefas são cumpridas com pressão de prazos; as normas para execução das tarefas são rígidas; existe fiscalização do desempenho; existe divisão entre quem planeja e quem executa; as tarefas são repetitivas; falta tempo para realizar pausas de descanso no trabalho e existe muito barulho no ambiente de trabalho). Dos três fatores que compõem a EACT, verificouse percepção desfavorável da organização do trabalho. Conclusão: constatou-se que os fisioterapeutas possuem percepção negativa da organização do trabalho no contexto da UTI. Os itens da EACT indicam que o contexto de trabalho da UTI favorece moderadamente o adoecimento deste profissional. 

Palavras-chave

Ambiente de Trabalho, Risco Ocupacional, Saúde do Trabalhador.

Referências

1.            Elias MA, Navarro VL. A relação entre o trabalho, a saúde e as condições de vida: negatividade e positividade no trabalho das profissionais de enfermagem de um hospital escola. Rev Latino-am Enfermagem. 2006;14(4):517-25. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692006000400008.

2.            Monteiro JK, Oliveira ALL, Ribeiro CS, Grisa GH, Agostini N. Adoecimento psíquico de trabalhadores de unidades de terapia intensiva. Psicologia. 2013;33(2):366-79. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932013000200009.

3.            Silva GJP, Ferreira PAM, Costa RP, Jesus SFC, Gondim LAR, Ferreira PR. Danos à saúde relacionados ao trabalho de fisioterapeutas que atuam em terapia intensiva. ASSOBRAFIR Ciênc. 2016;7(2):31-44.

4.            Souza d’Ávila L, Fraga Sousa GA, Sampaio RF. Prevalência de desordens musculoesqueléticas relacionadas ao trabalho em fisioterapeutas da rede hospitalar SUS-BH. Braz J Phys Ther. 2005;9(9):219-25.

<bok>5.               Dejours C. A loucura do trabalho. 5. ed. São Paulo: Cortez; 1992. 168 p.</bok>

6.            Mierzejewski M, Kumar S. Prevalence of low back pain among physical therapists in Edmonton, Canada. Disabil Rehabil. 1997;19(8):309-17. http://dx.doi.org/10.3109/09638289709166544. PMid:9279486.

7.            West D, Gardner D. Occupational injuries of physiotherapists in North and Central Queensland. Aust J Physiother. 2001;47(3):179-86. http://dx.doi.org/10.1016/S0004-9514(14)60265-8. PMid:11552874.

8.            Bork BE, Cook TM, Rosecrance JC, Engelhardt KA, Thomason MJ, Wauford IJ, et al. Work-related musculoskeletal disorders among physical therapists. Phys Ther. 1996;76(8):827-35. http://dx.doi.org/10.1093/ptj/76.8.827. PMid:8710962.

9.            Holder NL, Clark HA, DiBlasio JM, Hughes CL, Scherpf JW, Harding L, et al. Cause, prevalence, and response to occupational musculoskeletal injuries reported by physical therapists and physical therapist assistants. Phys Ther. 1999;79(7):642-52. http://dx.doi.org/10.1093/ptj/79.7.642. PMid:10416574.

<bok>10.            Dejours C. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez; 1987.</bok>

11.          Campos JF, David HSL. Avaliação do contexto de trabalho em terapia intensiva sob o olhar da psicodinâmica do trabalho. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(2):363-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342011000200009. PMid:21655785.

<bok>12.            Ferreira MC, Mendes AM. Trabalho e risco de adoecimento: o caso dos auditores fiscais da Previdência Social Brasileira. Brasilia: Edições LPA e FENAFISP; 2003.</bok>

13.          Moisés MS, Medeiros SM, Freitas JAC. Influência do contexto de trabalho na saúde dos profissionais de enfermagem de uma unidade de terapia intensiva em um hospital universitário. Enfermería Global. 2013;32:198-210.

<bok>14.            Giglio AG. Estudo das queixas osteomusculares entre fisioterapeutas em um hospital oncológico [dissertação]. Brasilia: Universidade de Brasília; 2010.</bok>

15.          Metzker CAB. O fisioterapeuta e o estresse no trabalho: estudo de caso em um hospital filantrópico da cidade de Belo Horizonte-MG [dissertação]. Pedro Leopoldo: Faculdades Integradas de Pedro Leopoldo; 2011.

16.          Silva CO. Trabalho e subjetividade no hospital geral. Psicologia. 1998;18(2):26-33. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98931998000200005.

17.          Chiavegato LG, Navarro VL. A organizacão do trabalho em saúde em um contexto de precarização e do avanço da ideologia gerencialista. Revista Pegada. 2012;13(2):68-82.

18.          ANVISA: Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Acreditação: a busca pela qualidade nos serviços de saúde. Rev Saude Publica. 2004;38(2):335-6. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102004000200029. PMid:15122396.

19.          Sampaio RA No, Mesquita FOS, Paiva MDS Jr, Ramos FF, Andrade FMD, Correia MAV Jr. Ruídos na unidade de terapia intensiva: quantificação e percepção dos profissionais de saúde. Rev Bras Ter Intensiva. 2010;22(4):369-74. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-507X2010000400010. PMid:25302514.

20.          Macedo ISC, Mateus DC, Costa EMGC, Asprino ACL, Lourenço EA. Avaliação do ruído em unidades de terapia intensiva. Rev Bras Otorrinolaringol (Engl Ed). 2009;75(6):844-6.

21.          Pereira RP, Toledo RN, Amaral JLG, Guilherme A. Qualificação e quantificação da exposição sonora ambiental em uma unidade de terapia intensiva geral. Rev Bras Otorrinolaringol. 2003;69(6):766-71. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-72992003000600007.


Submetido em:
29/09/2019

Aceito em:
07/10/2020

5fd3cb840e88254418120fdf assobrafir Articles
Links & Downloads

ASSOBRAFIR Ciência

Share this page
Page Sections