ASSOBRAFIR Ciência
https://assobrafirciencia.org/article/5de1274a0e882576544ce1d5
ASSOBRAFIR Ciência
Artigo Original

Análise comparativa entre dois tipos de monitorização do volume minuto em pacientes coronariopatas em um hospital de referência em cardiologia

Comparative analysis of two methods of monitoring minute volume in patients with coronary disease in a reference hospital in cardiology

Julianna Falcão Silva, Diego Henrique Barreto da Silva, Gabriela Rodrigues de Albuquerque Coelho, Ana Georgia Lima de Souza, Juliana Meirinhos Miranda, Talita Miranda Silva, Noberto Fernandes da Silva, Clodoval de Barros Pereira Junior

Downloads: 2
Views: 914

Resumo

Introdução: As doenças cardiovasculares (DCV) são responsáveis pelos maiores índices de morbi-mortalidade no Brasil e no mundo. No tratamento das DCV, alguns pacientes necessitam permanecer em uma unidade coronariana (UCo), devido à necessidade de assistência ventilatória mecânica (AVM). A monitorização respiratória do paciente em AVM é fundamental para um tratamento adequado e pode ser realizada através dos índices de oxigenação e dos índices de ventilação. A pressão arterial de dióxido de carbono (PaCO2 ) associada ao volume minuto é a melhor forma de avaliar a ventilação alveolar pois, pode-se dizer que um paciente com PaCO2 elevada está hipoventilando e vice-versa. Logo, é preciso saber a veracidade desses valores quando fornecidos pelos ventiladores mecânicos. Objetivo: Comparar dois métodos de monitorização do volume minuto em pacientes adultos numa unidade coronariana. Método: Os pacientes incluídos na amostra foram submetidos à monitorização do volume minuto através do ventilômetro e do valor demonstrado pelo monitor do ventilador mecânico, e estes dados foram comparados. Resultados: O total de pacientes que concluíram o estudo foram 19 e, verificou-se que os valores do VM obtidos através do ventilômetro foram superiores aos obtidos através do monitor do ventilador mecânico. E que não houve concordância estatisticamente significante entre os dois métodos de monitorização. A sedação e o diâmetro da via aérea artificial não influenciaram nos valores do VM encontrados. Conclusões: Foi possível concluir que existe diferença estatisticamente significante entre os valores do VM obtidos através do monitor do ventilador mecânico quando comparados aos obtidos através da ventilômetro.

Palavras-chave

Respiração artificial; Ventilação pulmonar; Unidade de terapia intensiva

Abstract

Introduction: Cardiovascular diseases (CVD) are responsible for high rates of morbidity and mortality in Brazil and worldwide. During the treatment of CVD, some patients need to stay in a coronary care unit (CCU) due to the need for mechanical ventilation (MV). Respiratory monitoring in mechanically ventilated patients is essential for adequate treatment and it can be done using oxygenation indexes and ventilation indexes. The partial pressure of carbon dioxide (PaCO2 ) in addition to the minute volume is the best way to assess alveolar ventilation since you could say that a patient with elevated PaCO2 is hypoventilating and vice versa. Thus, it is necessary to know the veracity of thosee values when provided by mechanical ventilators. Objective: To compare two methods of monitoring minute volume in adult patients in a coronary care unit. Method: Patients included in the sample had their minute volume monitoredby a ventilometer and by the mechanical ventilator (the value shown in the monitor), and the data were compared. Results: The total of patients who completed the study were 19 and it was verified that the values of MV obtained by the ventilometer were higher than those obtained from the monitor of the mechanical ventilator. There was no statistically significant concordance between the two monitoring methods. The sedation and the artificial airway diameter did not influence the MV values found. Conclusions: It was concluded that there is a statistically significant difference between the MV values obtained from the monitor of the mechanical ventilator compared to those obtained by a ventilometer.

Keywords

Artificial respiration; Pulmonary ventilation; Intensive care units.

Referências

1. Pinho RA, Araújo MC, Ghisi GLM, Benetti M. Doença arterial coronariana, exercício físico e estresse oxidativo. Arq Bras Cardiol. 2010 Abr;94(4):549-55.

2. Ferreira E, Araújo DV, Azevedo VMP, Rodrigues CV, Ferreira Jr A, Junqueira CL, et al. Análise de custo-efetividade dos stents farmacológicos e não farmacológicos na doença coronariana. Arq Bras Cardiol. 2010 Mar;94(3):306-12.

3. Renault JA, Costa-Val R, Rossetti MB. Respiratory physiotherapy in the pulmonary dysfunction after cardiac surgery. Rev Bras Cir Cardiovasc. 2008 Oct-Dec;23(4):562-9.

4. Schneider DG, Manschein AMM, Ausen MAB, Martins JJ, Albuquerque GL. Acolhimento ao paciente e família na unidade coronariana. Texto Contexto Enferm (Florianópolis). 2008 Jan-Mar; 17(1):81-9.

5. Jardim TSV, Jardim PCBV, Araújo WEC, Jardim LMSSV, Salgado CM. Fatores de risco cardiovascular em coorte de profissionais da área médica - 15 anos de evolução. Arq Bras Cardiol. 2010 Set;95(3):332-8.

6. Santana VTS, Baldin AC, Squassoni SD, Machado NC, Natali V, Fiss E, et al. Estudo comparativo da função pulmonar em pacientes submetidos a revascularização do miocárdio com circulação extracorpórea em uso de drenos pleural e mediastinal versus dreno mediastinal. Arq Med ABC. 2007;32(2):13-6.

7. Mattos MA, Toledo DG, Mattos CE, Tura BR, Gadelha DNB, Siqueira Filho AG. Tendência temporal de letalidade hospitalar por infarto agudo do miocárdio. 1994-2003. Arq Bras Cardiol. 2005 Maio;84(5):416-21.

8. Melo ECP, Carvalho MS, Travassos C. Distribuição espacial da mortalidade por infarto agudo do miocárdio no município do Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública (Rio de Janeiro). 2006 Jun;22(6):1225-36.

9. Marosti CA, Dantas RAS. Avaliação dos pacientes sobre os estressores em uma unidade coronariana. Acta Paul Enferm. 2006;19(2):190-5.

10. Faustino EA. Mecânica pulmonar de pacientes em suporte ventilatório na unidade de terapia intensiva. Conceitos e monitorização. Rev Bras Ter Intensiva. 2007 Abr-Jun;19(2):161-9.

11. Camargo MF, Andrade APA, Cardoso FPF, Melo MHO. Análise das pressões intracuff em pacientes em terapia intensiva. Rev Assoc Med Bras. 2006;52(6):405-8.

12. Carvalho CR, Farias A, Pinheiro BV, Pompilho CE, Deheinzelin D, Medeiros D, et al. Controle do paciente em ventilação mecânica. Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica (II). J Pneumol. 2000;26(2):16-20.

13. Arcêncio L, Souza MD, Bortolin BS, Fernandes ACM, Rodrigues AJ, Evora PRB. Cuidados pré e pós-operatórios em cirurgia cardiotorácica: uma abordagem fisioterapêutica. Rev Bras Cir Cardiovasc. 2008 Set;23(3):400-10.

14. Sharshar T, Desmarais G, Louis B, Macadou G, Porcher R, Harf A, et al. Transdiaphragmatic pressure control of airway pressure support in healthy subjects. Am J Respir Crit Care Med. 2003 Oct 1;168(7):760-9.

15. Moosavi SH, Golestanian E, Binks AP, Lansing RW, Brown R, Banzett RB. Hypoxic and hypercapnic drives to breathe generate equivalent levels of air hunger in humans. J Appl Physiol. 2003 Jan; 94(1):141-54.

16. Khemani RG, Bart RD, Newth CJL. Respiratory monitoring during mechanical ventilation. Paediatrics and child health 2007; 17 (5): 193-201.

17. Apolinário JC, Silva RBP, Silva BAK. Análise dos parâmetros ventilatórios utilizados no CTI adulto do hospital regional do Mato Grosso do Sul. Ciênc Agr Saúde. FEA (Andradina). 2003 JulDez;3(2):19-26.

18. Rosa FK, Roese CA, Savis A, Dias AS, Monteiro MB. Comportamento da mecânica pulmonar após a aplicação de protocolo de fisioterapia respiratória e aspiração traqueal em pacientes com ventilação mecânica invasiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2007 Abr-Jun;19(2):170-5.

19. Koizumi MS, Araújo GL. Escala de coma de Glasgow – subestimação em pacientes com respostas verbais impedidas. Acta Paul Enferm. 2005;18(2):136-42.

20. Benseñor FEM, Cicarelli DD. Sedação e analgesia em terapia intensiva. Rev Bras Anestesiol. 2003 Set-Out;53(5):680-93.

21. Penã ELC, Gregori WM, Piccinini Filho L, Vieira JE, Mathias LAST. Determinação de volumes e pressões de balonetes de tubos traqueais insuflados com ar ambiente ou óxido nitroso. Rev Bras Anestesiol. 2004 Maio-Jun;54(3):335-42.

22. Belloli M, Silva DJ. Avaliação do volume minuto, frequência respiratória e volume corrente em gestantes [trabalho de conclusão de curso]. 2002. 12p.

23. Silva BAK, Fialkowski CM, Vincensi C, Pereira DM, Carvalho PTC. Análise do volume corrente em pacientes sob ventilação mecânica invasiva submetidos a técnicas de alongamento e re-equilíbrio torácico. Terapia Manual. 2006;4(16):102-7.

24. Mantovani NC, Zuliani LMM, Sano DT, Waisberg DR, Silva IF, Waisberg J. Avaliação da aplicação do índice de tobin no desmame da ventilação mecânica após anestesia geral. Rev Bras Anestesiol. 2007 Nov-Dez;57(6):592-605.

25. Toufen Junior C, Carvalho CRR. Ventiladores mecânicos. Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica (III). J Bras Pneumol. 2007;33(Supl 2):S71-S91.

26. Yang KL, Tobin MJ. A prospective study of indexes predicting the outcome of trials of weaning from mechanical ventilation. N Engl J Med. 1991 May 23;324(21):1445-50.

27. Mont’Alverne DGB, Lino JA, Bizerril DO. Variações na mensuração dos parâmetros de desmame da ventilação mecânica em hospitais da cidade de Fortaleza. Rev Bras Ter Intensiva. 2008 AbrJun;20(2):149-53.

28. Gonçalves JQ, Martins RC, Andrade APA, Cardoso FPF, Melo MHO. Características do processo de desmame da ventilação mecânica em hospitais do Distrito Federal. Rev Bras Ter Intensiva. 2007 Jan-Mar;19(1):38-43.

29. Rodrigues MM, Júnior JFF, Benassule E, Chiavegato LD, Cavalheiro LV, Beppu OS. Variações na mensuração dos parâmetros de desmame da ventilação mecânica em hospitais da cidade de São Paulo. Rev Bras Ter Intensiva. 2005 Jan-Mar;17(1):28-32.

30. Fiore JFJ, Oliveira ACS, Pinho E, Benassule E, Francischini J, Chiavagato LD. O uso de baixos níveis de pressão suporte influencia a avaliação de parâmetros de desmame? Rev Bras Ter Intensiva. 2004 Jul-Set;16(3):146-9.

31. Coltri VM, Júnior AHS, Sarraceni JM. Comparação dos valores referentes à complacência estática de acordo com as variações do volume corrente mensurado e ofertado durante a ventilação mecânica. [trabalho de conclusão de curso]. Lins: Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium; 2006. 40p.

32. Semençato AHJ, Pereira JM, Vieira ML, Viveiros RTM, Arzani AS. Análise comparativa da complacência dinâmica e estática de acordo com as variações do volume corrente ofertado e mensurado durante a ventilação mecânica [trabalho de conclusão de curso]. Lins: Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium; 2006. 7p.

33. Lessa FAM, Paes CD, Tonella RM, Araújo S. Comparação do índice de respiração rápida e jsuperficial (IRRS) calculado de forma direta e indireta no pós-operatório de cirurgia cardíaca. Rev Bras Fisioter. 2010 Nov-Dez;14(6):503-9.

34. Angelo MAF, Abreu R, Santos ANC, Pinheiro BV, Sad EF, Júnior JFT, et al. Métodos essenciais de ventilação mecânica. Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica (II). J Pneumol. 2000;26(2):1-68.

5de1274a0e882576544ce1d5 assobrafir Articles
Links & Downloads

ASSOBRAFIR Ciência

Share this page
Page Sections