ASSOBRAFIR Ciência
https://assobrafirciencia.org/article/5de11d000e8825983c4ce1d5
ASSOBRAFIR Ciência
Artigo Original

Perfil de formação profissional dos fisioterapeutas das unidades de terapia intensiva da cidade de Maceió

Profile of professional background of physiotherapists in intensive care units in the city of Maceio

Angelo Roncalli Rocha, Rafaela Costa Russo, Thaís Ramos Toledo, José Erickson Rodrigues

Downloads: 2
Views: 334

Resumo

Introdução: A inserção do fisioterapeuta em unidades de terapia intensiva (UTI) vem aumentando de forma sistemática e gradual. Deste modo é imperativa a correta habilitação desse profissional, pois na corrente sociedade a criatividade e a disposição para capacitação permanente são requeridas e valorizadas. Objetivo: Delinear o perfil de formação profissional dos fisioterapeutas que atuam nas unidades de terapia intensiva da cidade de Maceió. Método: Trata-se de um estudo transversal, realizado a partir de informações coletadas junto aos fisioterapeutas que atuam nas unidades de terapia intensiva adulto (UTI adulto) dos hospitais particulares e públicos da cidade de Maceió. O instrumento utilizado para a coleta de dados foi um questionário elaborado para este fim, contendo 24 questões de múltipla escolha. Resultados: Quanto à formação profissional, 94,44% dos fisioterapeutas são pós-graduados. A titulação predominante é a especialização, e Cardiorrespiratória/ Terapia Intensiva é a área que prevalece entre as pós-graduações. No que diz respeito à atualização, 64,8% participam de eventos científicos, contudo 61,1% não possuem o hábito de publicar artigos. Conclusão: Na maioria, os fisioterapeutas das UTIs de Maceió possuem pós-graduação na área em que atuam e apresentam interesse em manter-se atualizados, contudo há pouco envolvimento com a produção científica.

Palavras-chave

Fisioterapia; Qualificação Profissional; Unidades de Terapia Intensiva

Abstract

Introduction: The inclusion of the physiotherapist in intensive care units (ICU) has been gradually and systematically increasing. Thus it is imperative that this professional has an adequate qualification since creativity and willingness to ongoing training are required and valued in the current society. Objective: To delineate the profile of professional background of physiotherapists who work in intensive care units in the city of Maceio. Method: This cross-sectional study was performed with physiotherapists who work in adult intensive care units (ICU adult) of public and private hospitals in Maceió. The instrument used for data collection was a questionnaire developed for this purpose, containing 24 multiple choice questions. Results: About the professional background, 94,44% of the physiotherapists are postgraduates. The predominant degree is specialization, and Cardiopulmonary/Intensive Care is the area that prevails among the postgraduates. Regarding the professional updating, 64,8% participate in scientific events, however 61,1% do not usually publish articles. Conclusion: In general, the physiotherapists in ICUs of Maceió are postgraduate in the area in which they work and have interest in continual updating, however there is a low involvement in scientific production.

Keywords

Physical Therapy; Qualification; Intensive Care Units

Referências

1. Caetano JA, Soares E, Andrade LM, Ponte RM. Cuidado humanizado em terapia intensiva: um estudo reflexivo. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2007 Jun;11(2):325-30.

2. Nozawa E, Sarmento GJV, Vega JM, Costa D, Silva JEP, Feltrim MIZ. Perfil de fisioterapeutas brasileiros que atuam em unidades de terapia intensiva. Fisioter pesqui. 2008 Abr-Jun;15(2):177-182.

3. Menezes, S. Fisioterapia em terapia intensiva: uma nova denominação para uma antiga especialidade. Assobrafir Ciência. 2011 Dez; 2(2):49-53.

4. Silva EL, Cunha MV. A formação profissional no século XXI: desafios e dilemas. Ci. Inf. 2002 SetDez;31(3):77-82.

5. Cançado VL, Genelhu P, Moraes LFR. Comprometimento com a Profissão um Estudo em uma Universidade no Estado de Minas Gerais. REAd. 2007 Jan-Abr;13(1).

6. Pilati O. Especialização: falácia ou conhecimento aprofundado? RBPG. 2006 Jun;3(5):7-26.

7. Calvalcante CCL, Rodrigues ARS, Dadalto TV, Silva EB. Evolução científica da fisioterapia em 40 anos de profissão. Fisioter Mov. 2011 Jul-Set;24(3):513-22.

8. Dibai Filho AV, Barbosa LF, Rodrigues JE. A prática fisioterapêutica generalista e especialista na cidade de Maceió-AL. Fisioter Mov. 2009 Abr-Jun;22(2):293-303.

9. Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CES 4/2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Fisioterapia. Diário Oficial da União, Brasília, 4 de março de 2002. Seção 1, p. 11.

10. Nozawa E, Feltrim MIZ. Perspectivas da capacitação do profissional fisiotera peuta da área hospitalar no âmbito da formação e educação continuada. Fisioter Mov. 1993; 6(1):16-21.

11. Antunes R, Correia T. Sociologia da saúde em Portugal: contextos, temas e protagonistas. Sociologia, Problemas e Práticas. 2009;(61):101-25.

12. Brasil. Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Lei n° 8.856, de 1° de março de 1994. Fixa a jornada de trabalho dos profissionais fisioterapeuta e terapeuta ocupacional. Brasília; 1994.

13. Brasil. Emenda Constitucional nº 34, de 13 dezembro de 2001. Dá nova redação à alínea c do inciso XVI do art. 37 da Constituição Federal. Brasília; 2001.

14. Stefani E, Montagnana DA. Federação Nacional dos Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais. Referência Salarial. São Paulo; 2011.

15. Rodrigues JE, Bulhões MVM, Costa Junior GJC, Dibai Filho AV, Araújo ACA. Satisfação profissional do fisioterapeuta e cuidado humanizado em unidades de terapia intensiva. Fisioter Brasil. 2011 Jun;12(3):164-7.

16. Berney S, Haines K, Denehy L. Physiotherapy in critical care in australia. Cardiopulm Phys Ther J. 2012 Mar;23(1):19-25.

17. Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução - RDC nº 7, de 24 de Fevereiro de 2010. Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências. Brasília; 2010.

18. Brasil. Ministério da Educação. Instituições de Educação Superior e Cursos Cadastrados. Brasília; 2011.

19. Costa D. SOBRAFIR. Revista Coffito. 2005 Dez;7(24):14-18.

20. Dibai Filho AV, Ponto JF, Nascimento MV, Gomes CAFP, Rodrigues JE. Análise do perfil dos fisioterapeutas atuantes em unidades de terapia intensiva da cidade de Maceió/AL. Fisioter. Brasil. 2010 Maio-Jun;11(3):192-7.

21. Brasil. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Parecer CNE/CES 0079/2002. Brasília; 2002.

22. Costa D. Ten years of Stricto Sensu postgraduate programs in Physical Therapy in Brazil: what has changed? Rev Bras Fisioter. 2007 Feb;11(1):V-VI.

23. Parente LC, Nishigushi JS, Soares JCF, Fávero FM, Oliveira ASB, Fontes SV. Perfil da avaliação fisioterapêutica em pacientes com doença neuromuscular na grande São Paulo. Rev Bras Cien Saúde. 2008 Jul-Set; 3(17):9-17.

24. Jones AYM. Intensive care phisiotherapy – medical staff perceptions. Hong Kong Physiother J. 2001 Jan;19(1):9-16.

25. Denehy L, Berney S. Physiotherapy in the intensive care unit. Physical Therapy Reviews. 2006 Mar;11(1):49-56.

5de11d000e8825983c4ce1d5 assobrafir Articles
Links & Downloads

ASSOBRAFIR Ciência

Share this page
Page Sections