ASSOBRAFIR Ciência
https://assobrafirciencia.org/article/5de034010e8825c71d4ce1d5
ASSOBRAFIR Ciência
Artigo Original

Comparação da distância percorrida em três modalidades do teste de caminhada de seis minutos com equações preditivas

Comparison of the walked distance in three modalities of six-minute walk test with predictive equations

Cinthia Barbosa da Silva, Karina Dias Gonçalves, Janne Marques Silveira, Geovane Rossone Reis, Tiago Kijoshi Ueda

Downloads: 0
Views: 564

Resumo

Introdução: O teste de caminhada de seis minutos (TC6) é um teste submáximo, de baixo custo, simples e bem tolerado. Avalia a capacidade pulmonar e cardiovascular de indivíduos doentes ou saudáveis. Há divergências quanto a sua aplicação em relação ao circuito que deve ser utilizado, reto, elíptico ou na esteira, mesmo que a American Thoracic Society sugira o circuito reto com comprimento de 30 metros. Outros autores sugerem dois testes para que se obtenha a maior distância caminhada, uma vez que o teste prévio permite a familiarização do indivíduo com a técnica. Para minimizar essas discordâncias quanto ao tipo de circuito, há equações preditivas de distância. Objetivo: comparar as distâncias percorridas no teste de caminhada de seis minutos em diversas modalidades com equações preditivas. Métodos: participaram do estudo 30 voluntários, com idade entre 20 e 30 anos, do gênero masculino e feminino, sedentários e hígidos, com IMC adequado que se submeteram aleatoriamente às três modalidades reta, elíptica e esteira no TC6, com um intervalo de 15 minutos entre um teste e outro. Conclusão: observou-se que, quando foram comparadas as três modalidades com as equações preditivas de Enright & Sherrill (1998), Troosters et al. (1999) e Enright et al. (2003), verificou-se que os voluntários caminharam menores distâncias na esteira em relação aos circuitos reto e elíptico (p>0,05). Todas as equações preditivas superestimam a distância caminhada pelos indivíduos, independente da modalidade do teste e do gênero.

Palavras-chave

Teste de esforço; Exercício; Caminhada

Abstract

Introduction: The six-minute walk test (6MWT) is a submaximal test, low cost, simple and well tolerated. It evaluates pulmonary and cardiovascular capacity in healthy subjects and patients with a disease. There are disagreements about its application in relation to the circuit to be used, straight, elliptical or in a treadmill, even the American Thoracic Society suggests a 30 meters-straight circuit. Other authors suggest that two tests should be performed in order to reach the greatest walked distance since the previous test allows familiarization with the technique. In order to minimize such disagreements about the type of circuit, there are predictive equations of the walked distance. Objective: To compare the walked distances covered in the 6MWT in different modalities with predictive equations. Methods: 30 volunteers were involved in the study, aged between 20 and 30 years, male and female, sedentary and healthy, with adequate BMI who underwent randomly to three modalities of 6MWT the straight, the elliptical and the treadmill, with 15 minutes of resting between them. Conclusion: it was observed that when all three modalities were compared with the predictive equations of Enright & Sherrill (1998), Troosters et al. (1999) and Enright et al. (2003), it was found that the volunteers walked shorter distances on the treadmill compared to straight and elliptical circuits (p>0.05). All the predictive equations overestimated the walked distance, regardless of test modality and gender.

Keywords

Exercise test; Exercise; Walking.

Referências

1. Mc Gavim CR, Gripta SP, Hard GJR. Twelve-minute walking test for assessing disability in chronic bronchitis. Br Med J. 1976 Apr 3;1:822-3.

2. Moreira M A C, Morais M R, Tannus R. Teste de caminhada de seis minutos em pacientes com DPOC durante programa de reabilitação. J Bras Pneumol. 2001 Nov-Dez;27(6):295-300.

3. Brunetto AF, Pitta F de O, Probst VS, Paulin E, Yamaguti WP dos S, Ferreira LF. Influência da saturação de O2 na velocidade percorrida em seis minutos, em pacientes com DPOC grave. Rev Bras Fisioter. 2003 Maio-Ago;7(2):123-9.

4. American Thoracic Society. ATS Statement: Guidelines for the Six-Minute Walk Teste. Am J Respir Crit Care Med. 2002 Jul 1;166(1):111-7.

5. Barata VF, Gastaldi AC, Mayer AF, Sologuren MJJ. Avaliação das equações de referência para predição da distância percorrida no teste de caminhada de seis minutos em idosos saudáveis brasileiros. Rev Bras Fisioter. 2005 Maio-Ago;9(2):165-71.

6. Enright PL. The six-minute walk test. Respiratory Care. 2003 Aug;48(8):783-785.

7. Hanneke AC. Six-Minute Walking-Induced Systemic Inflammation and Oxidative Stress in Muscle-Wasted COPD Patients. Chest. 2007 Feb;131(2):439-45.

8. Pires SR, Oliveira AC, Parreira VF, Britto RR. Teste de caminhada de seis minutos em diferentes faixas etárias e índices de massa corporal. Rev Bras Fisioter. 2007 Abr;11(2):147-51.

9. Rosa VF, Camelier FA, Mayer AM, Jardim JR. Avaliação da Capacidade de Exercício em Portadores de Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica: Comparação com Teste da Caminhada com Carga Progressiva com Teste da Caminhada com Acompanhamento. J Bras Pneumol. 2007 MarAbr;32(2):106-13.

10. Rodrigues SL, Viegas CAA, Lima T. Efetividade da Reabilitação Pulmonar como Tratamento Coadjuvante da Doença Pulmonar. J Bras Pneumol. 2002 Abr;28(2):66-70.

11. Celli RB, Cote GC, Martin MJ, Casanova C, Oca MM, Mendez AR, Plara PV, Cabral JH. The body-mass index, airflow obstruction, dyspnea, and exercise capacity index in chronic obstructive pulmonary disease. N Engl Med. 2004 Mar 4;350:1005-12.

12. Lauer MS, Francis GS, Okin PM, Pashkow FJ, Snader CE, Marwick TH. Impaired chronotropic response to exercise stress testing as a predictor of mortality. JAMA 1999 Fev 10;281(6):524-9.

13. Araújo CO, Makdisse MRP, Peres PAT, Tebexreni AS, Ramos LR, Matsushita AM, Carvalho AC. Diferentes padronizações de TC6 como método para mensuração da capacidade de exercício de idosos com e sem cardiopatia clinicamente evidente. Arq Bras Cardiol. 2006 Mar;86(3):198-205.

14. Knox AJ, Morrison JF, Muers MF. Reproducibility of walking test results in chronic obstructive airways disease. Thorax. 1988 May;43(5):388-92.

15. Rodrigues SL, Mendes HF, Viegas CAA. Teste de caminhada de caminhada de seis minutos: Estudo do efeito aprendizado em portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica. J Bras Pneumol. 2004 Mar-Abr;30(2):121-5.

16. Moreira MAC, Moraes MR, Tannus R. Teste da caminhada de seis minutos em pacientes com DPOC durante programa de reabilitação. J Bras Pneumol. 2001 Nov-Dez;27(6):295-300.

17. Oliveira JL, Trazinsky FA. Estudo crítico sobre as equações de referência para o teste de caminhada de seis minutos em adultos saudáveis. Rev Digital [Internet]. 2007 Jun;12(109). Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd109/teste-de-caminhada-de-seis-minutos-em-adultos-saudaveis.htm

18. Oliveira Jr MT, Guimarães GV, Barretto ACP. Teste de 6 minutos em Insuficiência Cardíaca. Arq Bras Cardiol. 1996 Dez;67(6):373-4.

19. Enright PL, Sherrill DL. Reference equations for the six-minute walk in healthy adults. Am J Resp Crit Care Med. 1998 Nov;158(5 Pt 1):1384-7.

20. Enright PL, McBurnie MA, Bittner V, Tracy RP, McNamara R, Arnold A, Newman AB. The 6-min walk test: a quick measure of functional status in elderly adults. Chest. 2003 Feb;123(2):387-98.

21. Britto RR, Sousa LAP. Teste de caminhada de seis minutos: uma normatização brasileira. Fisioter Mov. 2006 Out-Dez;19(4):49-54.

22. Troosters T, Vilaro J, Rabinovich R, Casas A, Barbera JA, Rodriguez-Roisin R, Roca J. Physiological responses to the 6-min walk test in patients with COPD. Eur Respir J. 2002 Sep;20(3):564-9.

23. World Health Organization (WHO). Obesity. Preventinng and managing the global epidemic. Geneva: World Health Organization; 1998.

24. Rodrigues ESR, Cheick NC, Mayer AF. Nível de atividade física e tabagismo em universitários. Rev Saúde Públ. 2008 Ago;42(4):672-8.

25. Matsudo S, Araújo T, Matsudo V, Andrade D, Andrade E, Oliveira LC, Braggion, G. Questionário internacional de atividade física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Rev Bras. Ativ Física Saúde. 2001;6(2):5-18.

26. Lohman TG, Roche AF, Martorell R. Anthropometric standardization reference manual. Champaign: Human Kinetics Books; 1988.

27. Cavalazzi TGL. Avaliação do uso da Escala Modificada de Borg na crise asmática. Acta Paul Enferm. 2005 Mar;18(1):39-45.

28. Justo MR, Santos MGF. Comparação da Distância Percorrida por Idosos Saudáveis no Teste de Caminhada de Seis Minutos com as Distâncias Previstas pelas Equações de Referências. Anuário da Produção de Iniciação Científica Discente [Internet]. 2009;12(14):49-55. Disponível em: http://www.sbafs.org.br/_artigos/213.pdf

29. Silva MIFM. Comparação entre diferentes formas do teste de caminhada de seis minutos em indivíduos saudáveis e em portadores de DPOC [dissertação]. Piracicaba (SP): Universidade Metodista de Piracicaba; 2006.

30. Toledo A, Ribeiro K, Silva AB, Costa D. Comparação entre o teste de caminhada de seis minutos no corredor e na esteira rolante. Rev Bras Fisioter. 2005 Jan-Fev;6(1):41-5.

31. Ferreira KR, Teles T, Silveira JM. Teste de caminhada de seis minutos em diferentes circuitos e equações preditivas [trabalho de conclusão de curso]. Gurupi (TO): Centro Universitário Unirg; 2009.

5de034010e8825c71d4ce1d5 assobrafir Articles
Links & Downloads

ASSOBRAFIR Ciência

Share this page
Page Sections