ASSOBRAFIR Ciência
https://assobrafirciencia.org/article/5de027ba0e8825f96d4ce1d6
ASSOBRAFIR Ciência
Artigo Original

Sinais e Sintomas Respiratórios, Grau de Dependência ao Fumo e Nível de Atividade Física em Tabagistas

Respiratory Signs and Symptoms, Tobacco Dependence and Physical Activity level in Smokers

Laura Leonidia Araújo Gomes Santos, Leina de Souza Ormond, Maíra Carvalho Macedo, Cristiane Maria Carvalho Costa Dias, Luciana Bilitário Macedo

Downloads: 0
Views: 132

Resumo

Introdução: O tabagismo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), é a principal causa prevenível de morte e de doenças do mundo, afetando mais de um bilhão de pessoas. Objetivo: identificar os sintomas respiratórios em tabagistas, verificar se existe associação com o nível de atividade física e o grau de dependência ao fumo e compará-los com indivíduos não fumantes. Método: Estudo de corte transversal; amostra composta por dois grupos: Grupo Tabagista (GT) e Grupo Não Tabagista (GNT); foram avaliados os sintomas e sinais respiratórios por um examinador treinado. O grau de dependência nicotínica foi verificado pelo questionário de Fargeström; o nível de atividade física pelo Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ). Resultados: amostra composta por 78 voluntários: GT 55,2%(43) e GNT 44,8%(35). O gênero masculino predominou no GT 81,4%(35), p<0,01. Quando comparado o nível de atividade física entre os grupos, os tabagistas mostraram-se mais ativos que o GNT (p=0,05). Quanto à frequência de sinais e sintomas respiratórios, a expectoração apareceu com maior frequência (35%), seguida de tosse seca (33%) e dispneia (33%), sibilos (12%) e roncos (11%) no GT. Quanto ao grau de dependência nicotínica: 46,5% (20) dos tabagistas apresentaram grau de dependência leve. Quando a frequência de sintomas entre GT e o GNT foram comparadas, apenas expectoração e sibilos apareceram com maior frequência no GT. Conclusões: a frequência dos sintomas respiratórios predominou no GT, a baixa dependência ao fumo foi mais frequente, juntamente com o nível de atividade física desejável no GT, comparado ao GNT.

Palavras-chave

Tabagismo; Atividade física; Sinais e sintomas respiratórios.

Abstract

Introduction: Smoking, according to the World Health Organization (WHO), is the leading cause of preventable death and illness worldwide, affecting more than one billion people. Objective: To identify respiratory symptoms in smokers in the community and to verify if there is an association between physical activity level and the degree of nicotine dependence compared with nonsmoker group. Methods: Cross-sectional study. Sample of 78 volunteers divided into two groups: smoker group (SG) and non-smokers group (NSG); respiratory symptoms and signs were evaluated by a trained examiner; the degree of nicotine dependence by Fargeström scale and the physical activity level by IPAQ were assessed. Results: The sample was composed by 78 volunteers: SG 55.2% (43) and NSG 44.8% (35) of the participants. The males were predominated in the SG 81.4% (35), p <0.01. When the level of physical activity between the groups were compared, smokers were more active than the NSG (p = 0.05). Regarding the frequency of respiratory signs and symptoms, sputum appeared more frequently (35%), followed by cough (33%) and dyspnea (33%), wheezing (12%) and snoring (11%) in SG. Concerning the degree of nicotine dependence: 46.5% (20) of smokers presented mild degree of dependence. When the frequency of symptoms between SG and NSG were compared, only sputum and wheezing appeared more frequently in SG. Conclusions: The frequency of respiratory symptoms was predominant in the SG, lower tobacco dependence was more common, as soon as desirable physical activity level compared to NSG.

Keywords

Smoking; Physical activity; Respiratory signs and symptoms.

Referências

1. Leitão Filho FS, Galduróz JCF, Noto AR, Nappo SA, Carlini EA, Nascimento AO, et al. Levantamento randomizado sobre a prevalência de tabagismo nos maiores municípios do Brasil. J Bras Pneumol. 2009 Dez;35(12):1204-11.

2. INCA. A história do tabaco [Internet]. Brasília; 2009 [citado 2010 Nov]. Disponível em: http://www.inca.gov.br/tabagismo/.htm

3. Menezes V. Prevalência de Sintomas Respiratórios em Tabagistas Ativos e Passivos[ trabalho de conclusão de curso]. Lauro de Freitas: Unime, União Metropolitana de Educação e Cultura; 2007.

4. Rodrigues ESR, Cheik NC, Mayer AF. Nível de atividade física e tabagismo em universitários. Rev Saúde Pública. 2008 Ago;42(4):672-8.

5. Barsky SH, Roth MD, Kleerup EC, Simmons M, Tashkin DP. Histopathologic and molecular alterations in bronchial epithelium in habitual smokers of marijuana, cocaine and/or tobacco. J Natl Cancer Inst. 1998 Ago;90(16):1198-205.

6. Rosemberg J. Tabagismo e doenças pulmonares. In: Tarantino AB. Doenças Pulmonares. 5ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2002. p. 155-67.

7. Gambaroto G. Fisioterapia respiratória em unidade de terapia intensiva - avaliação de fisioterapia respiratória em unidade de terapia intensiva. São Paulo: Atheneu; 2006.

8. Benedetti TRB, Antunes PC, Rodrigues-Anez CR, Mazo GZ, Petroski EL. Reprodutibilidade e validade do Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ) em homens idosos. Rev Bras Med Esporte. 2007 Jan/Fev;13(1):11-6.

9. Centro Coordenador do IPAQ no Brasil (CELAFISCS) [Internet, acesso 2010 Fev]. Disponível em: http://www.celafiscs.com.br

10. Holmen TL, Barret-Connor E, Clausen J, Holmen J, Bjermer L. Physical exercise, sports, and lung function in smoking versus nonsmoking adolescents. Eur Respir J. 2002 Jan;19(1):8-15.

11. Pietrobon RC, Barbisan JN, Manfroi WC. Utilização do teste de dependência à nicotina de Fargeström como um instrumento de medida do grau de dependência. Rev HCPA. 2007;27(3):31-6.

12. Mariano ME, Elia D, Scarascia A, Tzani P, Giucastro G, Olivieri D, Marangio E. Smoking cessation: aspects of prevetion and therapy. The activyti of the smoking cessation Parma – Italy. Acta Biomed. 2009 Apr;80(1):42-6.

13. Oliveira AF, Valente JG, Leite IC. Aspectos da mortalidade atribuível ao tabaco: revisão sistemática. Rev Saúde Pública. 2008;42(2): 335-45.

14. Iglesias R, Jha P, Pinto M, Silva VLC, Godinho J. Controle do tabagismo no Brasil – Documento de discussão: saúde, nutrição e população (HNP). Washington: Banco Internacional para reconstrução e desenvolvimento/Banco Mundial; Ago 2007. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/Controle%20do%20Tabagismo%20no%20Brasil.pdf

15. Holman W, Hettinger TH. Medicina de esporte: fumo e capacidade de desempenho físico. São Paulo: Manole; 1989.

16. Pureza DY, Sargentini L, Laterza R, Flores LJF, Irigoyen MC, Angelis K. Efeitos cardiovasculares da abstinência do fumo no repouso e durante o exercício submáximo em mulheres jovens fumantes. Rev Bras Med Esporte. 2007 Set/Out;13(5):292-6.

17. Moreira MAC, Moraes MR, Silva DGST, Pinheiro TF, Vasconcelos Júnior HM, Maia LFL, et al. Estudo comparativo de sintomas respiratórios e função pulmonar em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica relacionada à exposição à fumaça de lenha e de tabaco. J Bras Pneumol. 2008 Jan;34(9):667-74.

18. Tashkin DP. Pulmonary complications of smoked substance abuse. Addiction Medicine and the primary care physician. West J Med. 1990 May;152: 525-30.

19. Rodrigues Júnior JC, Ferraz SMR, Bruno RX. Prevalência e perfil de tabagistas universitários ingressantes de uma instituição de ensino superior. Pulmão. 2009 Mar;18(1):14-8.

20. Pate RR, Pratt M, Blair SN, Haskell WL, Macera CA, Bouchard C, et al. Physical activity and public health. A recommendation from the center for disease control and prevention and the American College of Sports Medicine. JAMA. 1995 Feb;273(5):402-7.

21. Macedo LB, Ormond LS, Gomes LLA, Macedo MC. Tabagismo e força muscular respiratória em adultos. Assobrafir Ciência. 2011 Dez;2(2):9-18.

22. Bernat AC, Oliveira MC, Rocha GC, Boing AF, Peres KG. Prevalência de sintomas respiratórios e fatores associados: estudo de base populacional em adultos de Lages, Santa Catarina, Brasil. Cad Saúde Pública. 2009 Set;25(9):1907-16.

23. Lima EC, Macedo LB. Nível de atividade física e tabagismo em moradores de uma comunidade em Salvador. Rev Pesquisa em Fisioterapia. 2012 Jan;2(1): 25-31.

5de027ba0e8825f96d4ce1d6 assobrafir Articles
Links & Downloads

ASSOBRAFIR Ciência

Share this page
Page Sections