ASSOBRAFIR Ciência
https://assobrafirciencia.org/article/5de0216a0e8825e25e4ce1d5
ASSOBRAFIR Ciência
Artigo Original

Correlação entre o tempo máximo de fonação e a capacidade vital lenta em indivíduos hospitalizados

Correlation between the maximum phonation time and the slow vital capacity in hospitalized individuals

Natalya Fernanda Beltrão Cardoso, Rodrigo Cappato de Araújo, Aline Cabral Palmeira, Ricardo de Freitas Dias, Eduardo Érico Tenório de França, Flávio Maciel Dias de Andrade, Emilia Chagas Costa, Marco Aurélio de Valois Correia Júnior

Downloads: 23
Views: 1272

Resumo

Introdução: Introdução: A avaliação da Capacidade Vital Lenta (CVL) auxilia na prevenção e diagnóstico de anormalidades que acometem o sistema respiratório. O Tempo Máximo de Fonação (TMF) é um teste aplicado, rotineiramente, com a função de avaliar a eficiência glótica e pulmonar, sem o uso de equipamentos específicos. A fisiologia vocal e pulmonar possui uma íntima relação e qualquer comprometimento entre a força de exalação e as forças mioelásticas da laringe pode exercer consequências diretas sobre a fala e a voz. Objetivo: Correlacionar o tempo de fonação com a CVL. Métodos: Trata-se de um estudo do tipo transversal, crossover, cuja escolha das técnicas foi realizada aleatoriamente (sorteio simples). Foram avaliados 39 indivíduos adultos de ambos os sexos. A CVL foi mensurada, através de um ventilômetro, e o TMF, pela técnica de contagem em ordem crescente. Resultados: Foi verificada uma correlação positiva entre o TMF e a CVL, para o sexo masculino, (r = 0,870; p = 0,01) e, para o sexo feminino (r = 0,818; p = 0,01). Para ambos os sexos, também, foi encontrada uma correlação positiva com (r = 0,856; p= 0,01). Conclusão: Neste estudo, foi observado que quanto maior a capacidade vital lenta do paciente, maior será o seu tempo máximo de fonação.

Palavras-chave

Função respiratória; Capacidade vital lenta; Tempo máximo de fonação.

Abstract

Background: The measurement of slow vital capacity (SVC) assists in the prevention and diagnosis of abnormalities affecting the respiratory system. The maximum phonation time (MPT) is a test used routinely to evaluate the function of the glottis and pulmonary efficiency without using specific equipment. The vocal and pulmonary physiology has an intimate relationship and any imbalance between exhaled strength of the lungs and larynx myoelastics forces can exert direct effects on speech and voice. Objective: To investigate the correlation between MPT and SVC. Methods: This is a cross-sectional and crossover study. The order of techniques was established randomly (simple random). We evaluated 39 adult individuals of both genders. The SVC was measured using a ventilometer and the MPT was assessed by the technique of counting in ascending order. Results: There was a positive correlation between the MPT and SVC for males (r = 0.870; p = 0.01) and for females (r = 0.818; p = 0.01). For both genders, we also found a positive correlation with r = 0.856 (p = 0.01). Conclusion: Our study has shown that the greater the slow vital capacity, the higher the maximum phonation time of the patient, for both genders and for men and women individually.

Keywords

Lung function; Slow vital capacity; Maximum phonation time.

Referências

1. Bonne D, Mcfarlane C. A voz e a terapia vocal. 5ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas; 1994.

2. Behlau M, Pontes P. Avaliação e tratamento das disfonias. São Paulo: Lovise; 1995.

3. Beber BC. Lesões de borda de pregas vocais e tempos máximos de fonação [monografia]. Santa Maria, RS: Universidade Federal de Santa Maria; 2007.

4. Capellari VM. Tempo máximo de fonação e características vocais acústicas de crianças préescolares [dissertação]. Santa Maria, RS: Universidade Federal de Santa Maria; 2006.

5. Cielo CA, Casarin MT. Sons fricativos surdos. Rev CEFAC. 2008;10(3):352-8.

6. Steffen LM, Moschetti MB, Steffen N, Hanayama EM. Paralisia unilateral de prega vocal: associação e correlação entre tempos máximos de fonação, posição e ângulo de afastamento. Rev Bras Otorrinolaringol. 2004 Jul-Ago;70(4):450-5.

7. Rossi DC, Munhoz DF, Nogueira CR, Oliveira TCM, Britto ATB. Relação do pico de fluxo expiratório com o tempo de fonação em pacientes asmáticos. Rev CEFAC, 2006;8(4):509-17.

8. Oliveira AA, Nogueira AC, Coelho CC, Aquino ES, Diniz SC. Avaliação da musculatura inspiratória de pacientes traqueostomizados em regime de internação hospitalar. Fisioter Mov. 2008 Abr-Jun;21(2):31-7.

9. Valim MA, Santos RS, Filho EDM, Abuldmassih EMS, Serrato MRF. A relação entre o tempo máximo de fonação, frequência fundamental e proteção das vias aéreas. Arquivos Int Otorrinolaringol. 2007 Jul-Set;11(3):260-6.

10. Barreto SSM. Volumes pulmonares. J Pneumol. 2002 Out;28(Supl 3):83-94.

11. Costa JO, Gama ACC, Oliveira JB, Rezende Neto AL. Avaliação acústica e perceptivo-auditiva da voz nos momentos pré e pós-operatório da cirurgia de implante de pré-fáscia do músculo temporal. Rev CEFAC. 2008 Jan-Mar;10(1):76-83.

12. Fiore JJF, Paisane DM, Franceschini J, Chiavegato LD, Faresin SN. Pressões respiratórias máximas e capacidade vital: comparação entre avaliações através do bocal e de mascara facial. J Pneumol. 2004 Nov-Dez;30(6):515-20.

13. MacIntyre NR. Mechanisms of funcional loss in patients with chronic lung disease. Respir Care. 2008 Sep;53(9):1177-84.

14. Vieira VP, Biase N, Pontes P. Análise acústica e perceptiva auditiva versus coaptação glótica em alteração estrutural mínima. Acta ORL. 2006;24(3):174-80

15. Fernandes CR, Neto PR. O sistema respiratório e o idoso: implicações anestésicas. Rev Bras Anestesiol. 2002 Jul-Ago;52(4):461-70.

16. Texeira VSS, Fonsecal BCA, Pereira DM, Silva BAK, Reis FA. Avaliação do efeito da obesidade infantil e a do adolescente sobre as propriedades ventilométricas e a força muscular do sistema respiratório. ConScientiae Saúde. 2009;8(1):35-40.

17. Pellegrino R, Viege G, Brusasco V, Crapo RO, Burgos F, Casaburi R, et al. Interpretative strategies for lung function tests. Eur Respir J. 2005 Nov;26(5):948-68.

18. Lemle A, Algranti E, Jansen JM, Valença AM, Nery LE, Mazolli M, et al. I Consenso Brasileiro sobre Espirometria. J Pneumol. 1996 Maio-Jun;22(3):105-64.

19. Pereira CAC. Espirometria. J Pneumol. 2002 Out;28(Supl 3):1-82.

20. Wild LB, Dias AS, Fischer GB, Rech DR. Avaliação funcional pulmonar em crianças e adolescentes asmáticos: comparação entre a micro espirometria e a espirometria convencional. J Pneumol. 2005 Mar-Abr;31(2):97-102.

21. Araújo AA F. Avaliação da ventilometria e espirometria no pré e pós-operatório dos pacientes submetidos á cirurgia de hipertensão portal [dissertação]. São Cristóvão: Universidade Federal de Sergipe; 2007.

22. Akram DS, Astrup AV, Atinmo T, Boissin JL, Bray GA, Carroll KK, et al. Obesity-prevention and managing the global epidemic: Report of a WHO Consultation on Obesity. Geneve: World Health Organization; 1998.

23. Soares EB, Brito CMCP. Perfil vocal do guia de turismo. Rev CEFAC. 2006 Out-Dez;8(4):501-8.

24. Garcia AA. Avaliação da disfonia. 1ª ed. Rio de Janeiro: Revinter; 2004.

25. Guyton AC, Hall J. Ventilação pulmonar. Tratado de fisiologia médica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1997.

26. Latronico N, Rasulo F. A Presentation and management of ICU myopathy and neuropathy. Curr Opin Crit Care. 2010 Apr;16(2):123-7.

27. Solomon NP, Garlitz SJ, Mibrath RL. Respiratory and laryngeal contributions to maximum phonation duration. J Voice. 2000 Sep;14(3):331-40.

28. Zemlim WR. Princípios de anatomia e fisiologia em fonoaudiologia. 4ª ed. São Paulo: Artmed; 1998.

29. Gordon M. Avaliação do paciente disfônico. In: Fawcus M. Disfonias: diagnóstico e tratamento. 2. ed. Rio de Janeiro; 2001. p. 39-70.

30. Network T. Ventilation with lower tidal volumes as compared with traditional tidal volumes for acute lung injury and the acute respiratory distress syndrome: The acute respiratory distress syndrome network. N Engl J Med. 2000 May 4;342(18): 1301-8.

5de0216a0e8825e25e4ce1d5 assobrafir Articles
Links & Downloads

ASSOBRAFIR Ciência

Share this page
Page Sections