ASSOBRAFIR Ciência
https://assobrafirciencia.org/article/5ddfcbad0e8825e5064ce1d5
ASSOBRAFIR Ciência
Artigo Original

Estratégias de desmame da ventilação mecânica em uma unidade de terapia intensiva

Weaning from mechanical ventilation strategies in intensive care unit

Yasmin de Azevedo Muniz, Andrea Stopiglia Guedes Braide, Marcus Cesar Silva de Moraes, Christiane Luck Maciera, Maria Socorro Rodrigues Brito, Marcia Cardinalle Correia Viana

Downloads: 8
Views: 750

Resumo

Introdução: A unidade de Terapia Intensiva é destinada ao atendimento de pacientes graves ou de risco, potencialmente recuperáveis, que exijam assistência ininterrupta, e a ventilação mecânica é considerada uma das principais ferramentas no tratamento desses pacientes. Nessa assistência, o processo de transição da ventilação artificial para a espontânea é conhecido como desmame, em que diversos parâmetros são propostos para identificar os pacientes aptos a tolerar a respiração de forma espontânea. Objetivo: Identificar as principais estratégias adotadas no desmame da ventilação mecânica em uma Unidade de Terapia Intensiva. Metodologia: Pesquisa quantitativa e prospectiva, realizada em uma UTI de um Hospital Público de Fortaleza, no período de agosto de 2013 a março de 2014. Participaram do estudo, pacientes de ambos os gêneros, maiores de 16 anos de idade e que estavam intubados por um período mínimo de 24 horas de VM em processo de desmame. Resultados: Foram avaliados 39 pacientes, 25 (64%) do gênero feminino e 14 (36%) masculino, com idade entre 17 a 92 anos, em que 29 (74%) eram cirúrgicos e 10 (26%) clínicos. Quanto à classificação do desmame, 30 (77%) pacientes realizaram o desmame fácil e nove (23%) difícil. No teste de respiração espontânea, 15 (54%) pacientes realizaram na modalidade PSV , 13 (46%) conectados ao tubo T e 11(%) não realizaram o TRE. O índice preditivo para extubação mais utilizado foi o Tobin, 28 (72%). Dos 39 pacientes, 34 (87,2%) obtiveram sucesso no desmame e 29(74%) com sucesso na extubação. Quanto ao desfecho, 38 (97,43%) obtiveram alta da UTI e um (2,57 %) evoluiu para óbito. Conclusão: A utilização de estratégias de avaliação diária favorecem o processo do desmame, minimizando o tempo de entubação. Parâmetros como o Índice de Tobin e o teste de respiração espontânea foram identificados como importantes estratégias para o sucesso do desmame seguido de extubação. .

Palavras-chave

Unidade de Terapia Intensiva; Ventilação Mecânica; Desmame; Extubação.

Abstract

Introduction: The Intensive Care Unit is designated to the treatment of patients in critical condition that requires undivided attention, and mechanical ventilation is considered to be one of the main tools in this process. During this delicate period, the transition process between the artificial and the spontaneous ventilation is known as weaning, in which various parameters are proposed to identify the patients who would be able to tolerate respiration in a spontaneous way. Objetives: To identify the main adopted strategies of mechanical ventilation inside an ICU. Methodology: Prospective and quantitative research, done at an ICU in Fortaleza’s Public hospital, from August 2013 to March 2014. The research had participants of both genders, older than 16 years and who had been intubated for a period of at least 24 hours in a process of weaning from Mechanical Ventilation. Results: 39 patients were analyzed, 25 (64%) female and 14 (36%) male, ages between 17 and 92, in which 29 (74%) were surgical and 10 (26%) clinical. Concerning the weaning classification, 30 (77%) patients went through an easy weaning process and 9 (23%) to a hard one. At the spontaneous respiration test, 15 (54%) patients did the PSV modality, 13 (46%) connected to the tube T and 11 (%) were not submitted to the spontaneous respiration test. The most commonly used predictive index for extubation was the Tobin 28 (72%). Of the 39 patients, 34 (87,2%) succeeded in weaning process and 29 (74%) succeeded in extubation. Regarding the outcomes, 38 (97,43%) got out of the ICU and 1 (2,57%) died. Conclusion: The use of daily assessment strategies favors the weaning process, minimizing the time of intubation. Parameters such as the Tobin index and the spontaneous breathing trial were identified as important strategies for weaning success followed by extubation.

Keywords

Intensive Care Unit; Mechanical Ventilation; Desmame; Extubation.

Referências

1. Oliveira ABF, Dias OM, Mello MM, Araújo S, Dragosavac D, Nucci A et al. Fatores associados à maior mortalidade e tempo de internação prolongado em uma unidade de terapia intensiva de adultos. Rev Bras Ter Intensiva, 2010 Jul-Set;22(3):250-56.

2. Damasceno MPCD, David CMN, Souza PCSP, Chiavone PA, Cardoso LTQ, Amaral JLG et al. Ventilação Mecânica no Brasil: aspectos epidemiológicos. Rev Bras Ter Intensiva, 2006 JulSet;18(3):219-28.

3. Sabetzk SM, Cicotoste CL. Desmame Ventilatório de pacientes cardíacos, internados na unidade coronariana: comparação entre SIMV, PSV e TUBO-T [resumo]. Anais do 3º Seminário de Fisioterapia da Uniamérica. Foz do Iguaçu; 2009.

4. Ultra RB. Fisioterapia Intensiva. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2009.

5. Mont`Alverne DGB, Lino JA, Bizerril DO. Variações na mensuração dos parâmetros de desmame da ventilação mecânica em hospitais da cidade de Fortaleza. Rev Bras Ter Intensiva. 2008 AbrJun;20(2):149-53.

6. Goldwasser R, Farias A, Freitas EE, Saddy F, Amado V, Okamoto V. III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica: Desmame e interrupção da ventilação mecânica. J Bras Pneumol. 2007;33(Supl 2):128-36.

7. Nemer SN, Barbas CSV. Parâmetros preditivos para o desmame da ventilação mecânica. J Bras Pneumol. 2011 Set-Out;37( 5):669-79.

8. Colombo T, Boldrini AF, Juliano SRR, Juliano MCR, Houly JGS, Gebara OCE et al. Implementação, avaliação e comparação dos protocolos de desmame com tubo-t e pressão suporte associada à pressão expiratória final positiva em pacientes submetidos à ventilação mecânica por mais de 48 horas em unidade de terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2007 Jan-Mar;19(1):31-7.

9. Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos [Internet, citado 2014 Mar 10]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.doc>.

10. Assunção MSC, Machado FR, Brosseti HB, Penna HG, Serrão CCA, Silva WG et al. Avaliação de teste de tubo T como estratégia inicial de suspensão da ventilação mecânica. Rev Bras Ter Intensiva. 2006 Abr-Jun;18(2):121-5.

11. Kress JP, Hall JB. Sedation in the mechanically ventilated patient. Crit Care Med. 2006 Oct;34(10):2541-46.

12. Boles JM, Bion J, Cannors A, Herridge M, Marsh B, Melot C et al. Weaning from mechanical ventilation. Eur Respir J. 2007 May;29(5):1033-56.

13. Teixeira C, Maccari JG, Vieira SRR, Oliveira RP, Savi A, Machado AS et al. Impacto de um protocolo de desmame de ventilação mecânica na taxa de falha de extubação em pacientes de difícil desmame. J Bras Pneumol, 2012 Maio-Jun;38(3):364-71.

14. Barbas CSC, Isola AM, Farias AMC. Diretrizes brasileiras de ventilação mecânica. Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB) – Comitê de Ventilação Mecânica Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) – Comissão de Terapia Intensiva da SBPT. 2013.

15. Azeredo CAC. Técnicas para o desmame no ventilador mecânico. São Paulo: Manole; 2002.

16. Polycarpo MR, Souza LC . Desmame em ventilação mecânica. In: Sousa LC. Fisioterapia intensiva. São Paulo: Atheneu; 2007.

17. Gonçalves JQ, Martins RC, Andrade APA, Cardoso FPF, Melo MHO. Características do processo de desmame da ventilação mecânica em hospitais do distrito federal. Rev Bras Ter Intensiva. 2007 Jan-Mar;19(1):38-43.

18. Frutos-Vivar F, Ferguson ND, Esteban A, Epstein SK, Arabi Y, Apeztequia C et al. Risk factors for extubation failure in patients following a successful spontaneous breathing trial. Chest. 2006 Dec;130(6):1664-71.

19. Pinheiro Filho GR, Reis HFC, Almeida ML, Andrade WS, Rocha RLS, Leite PA. Comparação e efeitos de dois diferentes tempos de oclusão da via aérea, durante a mensuração da pressão oclusão da via aérea, durante a mensuração da pressão inspiratória máxima em pacientes neurológicos na unidade de terapia intensiva de pacientes adultos. Rev Bras Ter Intensiva. 2010 Mar;22(1):33-9.

20. Gonçalves EC, Silva EC, Basile Filho A, Auxiliadora-Martins M, Nicolini EA, Gastaldi AC. Baixos níveis de pressão de suporte alteram o índice de respiração rápida e superficial (IRRS) em pacientes graves sob ventilação mecânica. Rev Bras Fisioter. 2012 Set-Out;16(5):368-74.

21. Conti G, Montini L, Pennisi MA, Cavaliere F, Arcangeli A, Bocci MG et al. A prospective, blinded evaluation of indexes proposed to predict weaning from mechanical ventilation. Intensive Care Med. 2004 May;30(5):830-36.

22. Vallverdú I, Calaf N, Subirana M, Net A, Benito S, Mancebo J. Clinical characteristics, respiratory functional parameters, and outcome of a two-hour T-piece trial in patients weaning from mechanical ventilation. Am J Respir Crit Care Med.1998 Dec;158(60):1855-62.

23. Rodrigues MM, Fiore Junior JF, Benassule E, Chiavegato LD, Cavalheiro LV, Beppu OS. Variações na mensuração dos parâmetros de desmame da ventilação mecânica em hospitais da cidade de São Paulo. Rev Bras Ter Intensiva. 2005;17(1):28-32.

24. King CS, Moores LK, Epstein SK. Should patients be able to follow commands prior to extubation. Respir Care.2010 Jan;55(1):56-65.

25. Duarte PAD, Venazzi A, Osaku EF, Miura CK, Schiavetto PM, Costa CRL et al. Epidemiologia, estratégias e evolução de pacientes submetidos à ventilação mecânica. Rev Bras Clin Med. 2012 JulAgo;10(4):302-7.

26. Perren A , Domenighetti G, Mauri S, Genini F, Vizzardi N. Protocol-directed weaning from mechanical ventilation: clinical outcome in patients randomized for a 30-min or 120-min trial with pressure support ventilation. Am J Respir Crit Care Med.2002 Aug;28(10):1058-63.

27. Seymour CW, Martinez A, Christie JD, Fuchs BD. The outcome of extubation failure in a community hospital intensive care unit: a cohort study. Crit Care. 2004 Oct;89(5):322-7.

28. Lima EJS. Frequência respiratória como preditor de falha de desmame da ventilação mecânica. Rev Bras Anestesiol. 2013 Jan;63(1):7-12.

29. Moraes RGC, Sasaki SR. O desmame na ventilação artificial. Lato & Sensu. 2003 Out;4(2):2-6.

30.Goldwasser RS, David CM. Desmame da ventilação mecânica: promova uma estratégia. Rev Bras Ter Intensiva. 2007 Jan-Mar;19(1):107-12.

5ddfcbad0e8825e5064ce1d5 assobrafir Articles
Links & Downloads

ASSOBRAFIR Ciência

Share this page
Page Sections