ASSOBRAFIR Ciência
https://assobrafirciencia.org/article/5ddbce910e88253a71f2c91e
ASSOBRAFIR Ciência
Artigo Original

Perfil clínico e índices preditivos de desmame de pacientes extubados em uma unidade de terapia intensiva de Fortaleza, CE

Clinical profile and predictive indexes of weaning in extubated patients in an intensive care unit of Fortaleza

Ana Irene Carlos de Medeiros, Lailane Saturnino da Silva, Vasco Pinheiro Diógenes Bastos

Downloads: 8
Views: 907

Resumo

Introdução: O desmame é caracterizado como a transição entre a respiração artificial para espontânea e deve ser iniciado precocemente visando reduzir o tempo de ventilação mecânica (VM), para isso, diversos estudos têm avaliado a importância dos protocolos e dos índices no desfecho da extubação. Objetivo: descrever o perfil clínico e avaliar os índices preditivos de desmame de pacientes extubados em uma Unidade de Terapia Intensiva de Fortaleza. Métodos: Trata-se de uma pesquisa documental, retrospectiva e quantitativa realizada na UTI Clínica de um Hospital Universitário da cidade de Fortaleza-CE. Foi realizada avaliação dos prontuários e fichas de acompanhamento da Fisioterapia para coleta dos dados: idade, sexo, motivo da internação, dias de VM, modalidade de TRE, índices preditivos de desmame, gasometria arterial, hemograma e eletrólitos séricos. Resultados: A amostra foi composta por 25 pacientes com idade média de 54,8±12,3 anos (p=0,184) e tempo de VM médio de 8,7±4,2 dias (p=0,825), a maioria do sexo masculino (56%), com internação por doença respiratória (28%) e com TRE por tubo T (72%). Não foram observadas diferenças entre os grupos quanto aos índices preditivos pressão inspiratória máxima - PImáx (p=0,744) e índice de respiração rápida e superficial - IRRS (p=0,752), nas variáveis clínicas constatou-se diferença em relação ao sódio (p=0,020) e hemoglobina (p=0,040). Conclusão: Houve uma predominância de indivíduos do sexo masculino e de internação na UTI por doença respiratória. Os índices preditivos e a maior parte das variáveis clínicas não apresentaram diferenças entre os grupos, entretanto foi constatada redução da hemoglobina e do sódio em pacientes que evoluíram com insucesso da extubação.

Palavras-chave

Respiração artificial; Desmame; Extubação; Unidades de Terapia Intensiva.

Abstract

Introduction: Weaning is characterized as a transition from artificial respiration to spontaneous and should be started early to reduce the duration of mechanical ventilation (MV), because of that several studies have evaluated the importance of protocols and indexes in the outcome of extubation. Aim: to describe the clinical profile and to evaluate the predictive indexes of weaning in extubated patients in an Intensive Care Unit in Fortaleza. Methods: This is a documental, retrospective and quantitative research, in the ICU Clinic of the University Hospital, in Fortaleza-CE. An evaluation of medical records and monitoring reports of Physiotherapy was conducted for data collection: age, gender, reason for hospitalization, days of MV, spontaneous breathing trial (SBT) mode, predictive indexes of weaning, arterial blood gases, blood count and serum electrolytes. Results: The sample consisted in 25 patients with a mean age of 54.8 ± 12.3 years (p = 0.184) and a mean MV time of 8.7 ± 4.2 days (p = 0.825), most men (56%), with hospitalization for respiratory disease (28%) and SBT by T tube (72%). There were no differences between groups regarding the predictive indexes of maximal inspiratory pressure - MIP (p = 0.744) and rapid shallow breathing index - IRRS (p = 0.752). In the clinical variables, a difference in sodium (p = 0.020) and hemoglobin (p = 0.040) was found. Conclusion: There was a predominance of men and ICU admission for respiratory disease. The predictive indexes and most of the clinical variables did not show differences between groups, however there was a significant reduction in hemoglobin and sodium in patients who evolved with extubation failure

Keywords

Respiration; Artificial; Weaning; Airway extubation; Intensive Care Units.

Referências

1.Lopes CR, Sales ALM, Simões MDJ, Angelis MA, Oliveira NML. Efeitos agudos da ventilação mecânica com hiperoxia na morfometria do diafragma de ratos. Rev Bras Fisioter. 2009 Nov-Dez;13(6):487-92.

2. Davis RT, Bruells CS, Stabley JN, McCullough DJ, Powers SK, Behnke BJ. Mechanical ventilation reduces rat diaphragm blood flow and impairs oxygen delivery and uptake. Crit Care Med. 2012 Oct;40(10):2858-66.

3. Fernández J, Miguelena D, Mulett H, Godoy J, Martinón-Torres F. Adaptive support ventilation: State of the art review. Indian J Crit Care Med. 2013 Jan;17(1):16-22.

4. Cavassani SS, Junqueira VB, Moraes JB, Luzo KK, Silva CM, Barros M, et al. Short courses of mechanical ventilation with high-O2 levels in elderly rat lungs. Acta Cir Bras. 2011 Apr;26(2):107-13.

5. Ochala J, Renaud G, Llano Diez M, Banduseela VC, Aare S, Ahlbeck K, et al. Diaphragm muscle weakness in an experimental porcine intensive care unit model. PLoS One. 2011;6(6):e20558.

6. Damasceno MP, David CM, Souza PC, Chiavone PA, Cardoso LT, Amaral JL. Ventilação mecânica no Brasil . Aspectos epidemiológicos. Rev Bras Ter Intensiva. 2006 Sep;18(3):219-28.

7. Dantas CM, Silva PF, Siqueira FH, Pinto RM, Matias S, Maciel C, et al. Influência da mobilização precoce na força muscular periférica e respiratória em pacientes críticos. Rev Bras Ter Intensiva. 2012 Jun;24(2):173-8.

8. Goldwasser R, Farias A, Freitas EE, Saddy F, Amado V, Okamoto V. Desmame e interrupção da ventilação mecânica. J Bras Pneumol. 2007 Jul;33(Supl 2):128–36.

9. Hudson MB, Smuder AJ, Nelson WB, Bruells CS, Levine S, Powers SK. Both high level pressure support ventilation and controlled mechanical ventilation induce diaphragm dysfunction and atrophy. Crit Care Med. 2012 Apr;40(4):1254–60.

10. Lima MVC, Guimarães RMO, Silva GPF, Mont’Alverne DGB. Perfil clínico e desmame ventilatório de pacientes acometidos por traumatismo crânio-encefálico. Rev Neurociênc. 2012;20(3):354–9.

11. Nemer SN, Barbas CSV. Parâmetros preditivos para o desmame da ventilação mecânica. J Bras Pneumol. 2011 Set-Out;37(5):669-79.

12. Lessa FAM, Paes CD, Tonella RM, Araújo S. Comparação do índice de respiração rápida e superficial (IRRS) calculado de forma direta e indireta no pós-operatório de cirurgia cardíaca. Rev Bras Fisioter. 2010 Nov-Dec;14(6):503–9.

13. Barbas CSV, Ísola AM, Farias AMC, Cavalcanti AB, Gama AMC, Duarte ACM, et al. Recomendações Brasileiras de ventilação mecânica 2013. Parte 2. Rev Bras Ter Intensiva. 2014;26(3):215–39.

14. Teixeira C, Maccari JG, Vieira SRS, Oliveira RP, Savi A, Machado AS, et al. Impacto de um protocolo de desmame de ventilação mecânica na taxa de falha de extubação em pacientes de difícil desmame. J Bras Pneumol. 2012 Jun;38(3):364-71.

15. Assunção MS, Machado FR, Rosseti HB, Penna HG, Serrão CC., Silva WG, et al. Avaliação de teste de tubo T como estratégia inicial de suspensão da ventilação mecânica. Rev Bras Ter Intensiva. 2006 Jun;18(2):121-5.

16. Oliveira AB, Dias OM, Mello MM, Araújo S, Dragosavac D, Nucci A, et al. Fatores associados à maior mortalidade e tempo de internação prolongado em uma unidade de terapia intensiva de adultos. Rev Bras Ter Intensiva. 2010 Sep;22(3):250-6.

17. Lima EJS. Frequência Respiratória como Preditor de Falha de desmame da ventilação mecânica. Rev Bras Anestesiol. 2013 Jan-Feb;63(1):7-12.

18. Silva RC, Alvarez RF, Barros IA, Santos DR, Farias SV, Duarte MG, et al. Falha de extubação orotraqueal após sucesso no teste de respiração espontânea. ASSOBRAFIR Ciência. 2012 Dez;3(3):31-42.

19. Santos LdeO, Borges MR, Figueirêdo LC, Guedes CA, Vian BS, Kappaz K, et al. Comparação entre três métodos de obtenção do índice de respiração rápida e superficial em pacientes submetidos ao desmame da ventilação mecânica. Rev Bras Ter Intensiva. 2007 Sep;19(3):331-6.

20. Ribeiro JS, Baldan CS, Masson IFB, Esteves Jr I, Bernardo K, Civile VT. Análise da variação percentual do índice de respiração rápida e superficial ( IRRS ) no desmame ventilatório. J Health Sci Inst. 2013;31(2):205–9.

21. Oliveira LR, José A, Dias EC, Ruggero C, Molinari CV, Chiavone PA. Padronização do desmame da ventilação mecânica em Unidade de Terapia Intensiva: resultados após um ano. Rev Bras Ter Intensiva. 2006 Jun;18(2):131-6.

22. Gentile JKA, Haddad MMCB, Simm JA, Moreira MP. Hiponatremia : conduta na emergência. Rev Bras Clin Med. 2010;8(2):159-64.

23. Rocha PN. Hiponatremia: conceitos básicos e abordagem prática. J Bras Nefrol. 2011 AbrJun;33(2):248-60.

24. Boniatti VM, Boniatti MM, Andrade CF, Zigiotto CC, Kaminski P, Gomes SP, et al. The Modified Integrative Weaning Index as a Predictor of Extubation Failure. Respir Care. 2014 Jul;59(7):1042-7.

25. Frutos-Vivar F, Ferguson ND, Esteban A, Epstein SK, Arabi Y, Apezteguía C, et al. Risk factors for extubation failure in patients following a successful spontaneous breathing trial. Chest. 2006 Dec;130(6):1664-71.

26. Freitas EE, David CM. Avaliação do sucesso do desmame da ventilação mecânica. Rev Bras Ter Intensiva. 2006 Dec;18(4):351-9.

27. Bezerra AL, Paiva Jr MDS, Andrade FMD, França EET. Influência da força da musculatura periférica no sucesso da decanulação. Rev Bras Ter Intensiva. 2011 Jul-Sep;23(3):381–2.

28. Mont’Alverne DG, Lino JA, Bizerril DO. Variações na mensuração dos parâmetros de desmame da ventilação mecânica em hospitais da cidade de Fortaleza. Rev Bras Ter Intensiva. 2008 Jun;20(2):149–53.

29. Gonçalves EC, Silva EC, Basile Filho A, Auxiliadora-Martins M, Nicolini EA, Gastaldi AC. Baixos níveis de pressão de suporte alteram o índice de respiração rápida e superficial (IRRS) em pacientes graves sob ventilação mecânica. Rev Bras Fisioter. 2012 Out;16(5):368-74.

30. Takaki S, Kadiman S Bin, Tahir SS, Ariff MH, Kurahashi K, Goto T. Modified rapid shallow breathing index adjusted with anthropometric parameters increases predictive power for extubation failure compared with the unmodified index in postcardiac surgery patients. J Cardiothorac Vasc Anesth. 2015 Feb;29(1):64-8.

31. Ko R, Ramos L, Chalela JA. Conventional weaning parameters do not predict extubation failure in neurocritical care patients. Neurocrit Care. 2009;10(3):269-73.

32. Esteban A, Alía I, Gordo F, Fernández R, Solsona JF, Vallverdu I, et al. Extubation outcome after spontaneous breathing trials with T-Tube or pressure support ventilation. Am J Respir Crit Care Med. 1997 Aug;156(2 Pt 1):459-65.

33. Colombo T, Boldrini AF, Juliano SRR, Juliano MCR, Houly JGS, Gebara OCE, et al. Implementação, avaliação e comparação dos protocolos de desmame com tubo-T e pressão suporte associada à pressão expiratória final positiva em pacientes submetidos à ventilação mecânica por mais de 48 horas em unidade de terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2007 Jan-Mar;19(1):31-7.

34. Rishi MA, Kashyap R, Wilson G, Hocker S. Retrospective derivation and validation of a search algorithm to identify extubation failure in the intensive care unit. BMC Anesthesiol. 2014 May 23;14(1):41.

5ddbce910e88253a71f2c91e assobrafir Articles
Links & Downloads

ASSOBRAFIR Ciência

Share this page
Page Sections