ASSOBRAFIR Ciência
https://assobrafirciencia.org/article/5ddbccf70e88256b6bf2c91f
ASSOBRAFIR Ciência
Artigo Original

Nível de atividade física de idosos participantes de um programa de prevenção de doença cardiovascular

Physical activity level for elderly participants in cardiovascular disease prevention program

Rafael Michel de Macedo, Maria do Rocio Peixoto de Oliveira, Mara Regina Cilião, Ana Claudia Giaxa Prosdócimo, Ana Carolina Brandt de Macedo, Daniela França, Anici Belemer, Costantino Ortiz Costantini, Costantino Roberto Costantini

Downloads: 2
Views: 750

Resumo

Introdução: O sedentarismo é considerado um fator de risco modificável para o desenvolvimento de doenças crônicas. Objetivo: Comparar o nível de atividade física, de acordo com o gênero, em idosos (> 60 anos) envolvidos em um programa de prevenção de doença cardiovascular. Métodos: A amostra foi composta por 173 pacientes (69,9 ±6,4 anos) integrantes de um programa de prevenção de doenças cardiovasculares, do Hospital Cardiológico Costantini em Curitiba, sendo 71 (41,5%) homens e 101 (58,5%) mulheres. Como instrumento de coleta de dados, foi utilizado o IPAQ versão VIII curta, com intuito de avaliar o nível de atividade física praticado: muito ativo, ativo, insuficientemente ativo, sedentário. Para comparação das proporções, foi utilizado o Teste Qui Quadrado (x2 ) com nível de significância de p<0,05. Resultados: Verificaram-se que 81,11% da amostra total são sedentários ou irregularmente ativos, o que corresponde a 83% das mulheres e 56% dos homens avaliados. Conclusão: Os participantes deste programa de prevenção são, na sua maioria, sedentários, não cumprindo os critérios mínimos do instrumento de avaliação (IPAQ) da prática salutar de atividade física.

Palavras-chave

Atividade motora; Estilo de vida sedentário; Idoso; Doenças cardiovasculares.

Abstract

Introduction: sedentary lifestyle is considered a modifiable risk factor for developing chronic diseases. Objective: to compare the level of physical activity, according to gender, in elderly people (> 60 years) enrolled in a program of cardiovascular disease prevention. Methods: the sample consisted of 173 patients (69.9 ± 6.4 years), 71 (41.5%) men and 101 (58, 5%) women, who participated in a cardiovascular heart disease prevention program, of the Costantini Hospital, in Curitiba. The IPAQ short version VIII was used as a tool for data collection, in order to assess the level of physical activity practiced: very active, active, insufficiently active, sedentary. We used the chi square (x2) with a significance level of p <0.05 to compare the proportions. Results: it was showed that 81.11% of the total sample is sedentary or irregularly active, which corresponds to 83% of women and 56% of men evaluated. Conclusion: The participants in this prevention program are for the most part sedentary, not meeting the minimum criteria of the evaluation tool (IPAQ) in healthy physical activity

Keywords

Motor activity; Sedentary lifestyle; Aged; Cardiovascular diseases.

Referências

1. I Diretriz do Grupo de Estudos em Cardiogeriatria. Arq Bras Cardiol. 2002;79(Supl 1):1-46.

2. Wallack ZW, Crouch R. American Association of Cardiovascular and Pulmonary Rehabilitation: Guidelines for pulmonary rehabilitation programs. 3 th ed. Champaign: Human kinetics; 2004.

3. Coats A, McGee H, Stokes H, Thompson D. Normas de reabilitação cardíaca da Associação Britânica de Reabilitação Cardíaca. São Paulo: Santos; 1997.

4. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Diretriz de reabilitação cardiopulmonar e metabólica: aspectos práticos e responsabilidades. Arq Bras Cardiol. 2006 Jan;86(1):74-82.

5. Instituto Nacional de Câncer (INCA), Coordenação de Prevenção e Vigilância. Inquérito domiciliar sobre comportamentos de risco e morbidade referida de doenças e agravos não transmissíveis: Brasil, 15 capitais e Distrito Federal, 2002-2003. Rio de Janeiro: INCA; 2004.

6. Hallal PC, Victoria CG, Wells JC, Lima RC. Physical inactivity: prevalence and associated variables in brazilian adults. Med Sci Sports Exerc. 2003 Nov;35(11):1894-900.

7. Kohl HW, Craig CL, Lambert EV, Inoue S, Alkandari, JR, Leetongin G, et al. The pandemic of physical inactivity: global action for public health. Lancet. 2012 Jul 21;380(9838):294-305.

8. Bauman AE, Reis RS, Sallis JF, Wells JC, Loos RJF, Martin BW. Correlates of physical activity: why are some people physically active and others not? Lancet. 2012 Jul 21;380(9838):258-71.

9. Ceschini FL, Figueira Jr A. Nível de Atividade Física de adutos jovens residentes em região metropolitana de São Paulo. Rev Bras Ciênc Saúde. 2006 Abr-Jun;4(8):20-5.

10. Satariano WA, Haight TJ, Tager IB. Reasons given by older people for limitation or avoidance of leisure time physical activity. J Am Geriatr Soc 2000 May;48(5):505-12.

11. Ribeiro RM, Tribess S, Santos AS, Pinto LLT, Riberio MCL, Roza LB, et al. Barreiras no engajamento de idosos em serviços públicos de promoção de atividade física. Ciênc Saúde Coletiva. 2015;20(3):739-49.

12. Matsudo SM, Matsudo VR, Araújo T, Andrade D, Andrade E, Oliveira L, et al. Nível de atividade física na população do Estado de São Paulo: uma análise de acordo com o gênero, idade, nível socioeconômico, distribuição geográfica e de conhecimento. Rev Bras Ciênc Mov. 2002 Out;10(4):41- 50.

13. Barros MVG, Reis RS, Hallal, PRC, Florindo AA. Análise de dados em Saúde. 3. ed. Curitiba: Midiograf; 2011.

14. Matsudo S, Araújo T, Matsudo V, Andrade D, Andrade E, Oliveira LC, et al. Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2001;6(2):5-18.

15. Barreto SM, Passos VM, Firmo JO, Guerra HL, Vidigal PG, Lima-Rosa MF. Hypertension and clustering of cardiovascular risk factors in a community in southeast Brazil – the Bambuí Health and Ageing Study. Arq Bras Cardiol 2001 Dec;77(6):576-81.

16. Carvalho T, Nóbrega ACL, Lazzoli JK, Magni JRT, Rezende L, Drummond FA, et al. Diretriz da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte – Atividade física e saúde. Brasília : Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina; 2001.

17. Dias-da-Costa JS, Hallal PC, Wells JCK, Daltoé T, Fuchs SC, Menezes AMB, et al. Epidemiologia da atividade física no lazer: um estudo de base população no sul do Brasil. Cad Saúde Publ, 2005 Jan-Fev;21(1):275-82.

18. Gus I, Fischmann A, Medina C. Prevalência dos Fatores de Risco da Doença Arterial Coronariana no Estado do Rio Grande do Sul. Arq Bras Cardiol. 2002;78(5):478-83.

19. Pitanga, FJG, Lessa I. Prevalência e fatores associados ao sedentarismo no lazer em adultos. Cad. Saúde Publ. 2005 Maio-Jun; 21(3):870-7.

20. Cardoso, AS, Levandoski G, Mazo GZ, Prado APM, Cardoso LS. Comparação do nível de atividade física, em relação ao gênero de idosos participantes de grupos de convivência. RBCEH. 2008 Jan-Jun;5(1):9-18.

21. Malta DC, Cezário AC, Moura L, Moraes Neto OL, Silva Jr JB. A construção da vigilância e prevenção das doenças crônicas não transmissíveis no contexto do Sistema Único de Saúde. Epidemiol Serv Saúde. 2006 Jul-Set;15(3):47-65.

22. Barreira MHAL, Ruiz EM. O idoso demenciado em centro especializado no Município de Fortaleza, Ceará. Rev Med Minas Gerais. 2015;25(1):52-8.

5ddbccf70e88256b6bf2c91f assobrafir Articles
Links & Downloads

ASSOBRAFIR Ciência

Share this page
Page Sections