ASSOBRAFIR Ciência
https://assobrafirciencia.org/article/5dd541d70e8825b24cc8fca6
ASSOBRAFIR Ciência
Artigo Original

Análise das condições pulmonares de discentes tabagistas de cigarro e tabagistas de narguilé do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Regional de Blumenau

Analysis of pulmonary conditions of cigarette and hookah smokers students from the Center of Health Science of the Universidade Regional de Blumenau

Marluci Luzia Lunelli, Márcia Andrea Fernandes, Fernanda Roberta Faria Von der Hayde, Viviane Jacintha Bolfe Azzi

Downloads: 4
Views: 496

Resumo

Introdução: A conscientização sobre os efeitos do cigarro levou à iniciação de novas formas de tabagismo, como o narguilé, que ganha espaço entre os jovens, na crença de menores malefícios à saúde. Objetivo: Analisar as condições pulmonares dos discentes tabagistas de cigarro e narguilé da Universidade Regional de Blumenau. Método: Amostra com 30 discentes, divididos em grupo fumante de cigarro (GFC) e grupo fumante de narguilé (GFN), submetidos à avaliação do pico de fluxo expiratório, mensuração das pressões máximas respiratórias, nível de atividade física e de dependência nicotínica. Resultados: Referente à força muscular respiratória, os grupos apresentaram resultados abaixo dos valores preditos para PImax, GFC 68,4% (33,6 – 124,1) vs GFN 59,6% (40,3 - 100), para PEmax, GFC 61% (34,2 – 126) vs GFN 59,5% (33,6 - 87). Na mensuração do pico de fluxo expiratório no GFC 61,5% não apresentam limitação, 15,4% apresentam limitação leve, 15,4% apresentam limitação moderada e 7,7% apresentam obstrução grave. No GFN, 82,4% não apresentam limitação e 17,6% apresentam limitação moderada. Aplicado o IPAQ, no GFC 15,4% dos indivíduos são muito ativos, 7,7% ativos, 61,5% irregularmente ativos e 15,4% sedentários. No GFN, 41,2% dos indivíduos são muito ativos, 17,6% ativos e 41,2% irregularmente ativos. Quanto à dependência nicotínica o GFC apresenta 46,1% grau de dependência muito baixo, 23,1% baixo, 7,7% médio e 23,1% elevado. No GFN, 100% dos indivíduos apresenta grau muito baixo de dependência. Conclusão: Evidenciamos a preferência do narguilé por indivíduos mais jovens, tornando-se uma porta de entrada para o consumo de cigarros, uma forma de socialização entre jovens universitários e uma proposta impulsionada pela indústria do tabaco para atrair consumidores. Variáveis respiratórias encontram-se abaixo dos níveis preditos nos dois grupos, o que indica que o tabagismo, independente do produto do tabaco utilizado, traz prejuízos às condições pulmonares, ao contrário do que acreditam os tabagistas de narguilé

Palavras-chave

Hábito de Fumar; Produtos do Tabaco; Saúde.

Abstract

Introduction: The awareness of the effects of smoking led to the initiation of new forms of smoking, such as hookah, which is gaining space among the young, in the belief of less damage to health. Objective: To assess the pulmonary status of cigarettes and hookah smoking students from Universidade Regional de Blumenau. Methods: The sample included 30 students, divided into cigarette smoking group (GFC) and hookah smoking group (GFN), who were submitted to an assessment of peak expiratory flow, measurement of respiratory maximum pressures, level of physical activity and level of nicotine dependence. Results: Regarding respiratory muscle strength, the groups presented results below the predicted values for both PIMÁX GFC 68.4% (33.6 – 124.1) vs GFN 59.6% (40.3 - 100), and PEMÁX GFC 61% (34.2 – 126) vs GFN 59.5% (33.6 - 87). In the measurement of peak expiratory flow, 61.5% of the GFC have no limitation, 15.4% have mild limitation, 15.4% had moderate limitation and 7.7% had severe obstruction. While in the GFN, 82.4% have no limitation and 17.6% have moderate limitations. According to the IPAQ, 15.4% of individuals in the GFC are very active, 7.7% active, 61.5% irregularly active and 15.4% inactive. In the GFN, 41.2% of individuals are very active, 17.6% active and 41.2% irregularly active. Regarding nicotine dependence in GFC, 46.1% of individuals has very low, 23.1% low, 7.7% average and 23.1% higher degree of dependence. In GFN, 100% of subjects has very low degree of dependence. Conclusion: We noted the preference of the hookah by younger individuals, making it a gateway to cigarette smoking, a form of socialization among university students and a proposal driven by the tobacco industry to attract consumers. Respiratory variables are below the predicted levels in both groups, indicating that smoking, regardless of the tobacco product used, harms the pulmonary conditions, contrary to what the hookah smokers believe.

Keywords

Smoking; Tobbaco Products; Health.

Referências

1. Ministério da Saúde (Brasil), Instituto Nacional de Câncer, Organização Pan-Americana da Saúde. Pesquisa especial de tabagismo – PETab: relatório Brasil / Instituto Nacional de Câncer. Organização Pan- Americana da Saúde. Rio de Janeiro: INCA; 2011.

2. Organização Mundial da Saúde. Relatório da Organização Mundial de Saúde sobre a Epidemia Global de Tabagismo – 2008 [Internet] [citado 2013 Nov 20]. Disponível em: http//www.who.int/tabbaco/mpower.

3. Ministério da Saúde (Brasil), Instituto Nacional de Câncer. Projeto Diretrizes: evidências científicas sobre tabagismo para subsídio do poder judiciário. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde; 2013.

4. Szklo AS, Sampaio MMA, Fernandes EM, Almeida LM. Perfil de Consumo de Outros Produtos de Tabaco Fumado entre Estudantes. Cad Saúde Pública. 2011 Nov;27(11):2271-75.

5. Ministério da Saúde. Portal Saúde – SUS. País tem importante redução no número de fumantes. (2011) [Internet]. [Citado 2013 Dez 2]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/aplicacoes/noticias/default.cfm?pg=dspDetalheNoticia&idarea=124&CONOTICIA=12681.

6. Ministério da Saúde (Brasil), Instituto Nacional de Câncer e Instituto Brasileira de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: Tabagismo 2008 [Internet]. Rio de Janeiro: 2009 [Citado 2013 Nov 10]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/controle_cancer.

7. Viegas CAA. Formas não habituais de uso do tabaco. J Bras Pneumol. 2008 Dez;34(12):1069-73.

8. Akl EA, Gaddam S, Gunukula SK, Honeine R, Jaoude PA, Irani J. The effects of waterpipe tobacco smoking on health outcomes: a systematic review. Int J Epidemiol. 2010 Jun;39(3):834-57.

9. Martins SR, Paceli RB, Bussacos MA, Fernandes FLA, Prado GF, Lombardi EMS, et al. Experimentação de e conhecimento sobre narguilé entre estudantes de medicina de uma importante universidade do Brasil. J Bras Pneumol. 2014 Mar-Abr;40(2):102-10.

10. Fromme H, Dietrich S, Heitmann D, Dressel H, Diemer J, Schulz T, et al. Indoor air contamination during waterpipe (narghile) smoking session. Food Chem Toxicol. 2009 Jul;47(7):1636-41.

11. Souza, RB. Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia. Diretrizes para testes de função pulmonar. J Pneumol. 2002;28(3):S1-238.

12. Neder JA, Andreoni S, Castelo-Filho A, Nery LE. Reference values for lung function tests. I. Static volumes. Braz J Med Biol Res. 1999 Jun;32(6):703-17.

13. Quanjer PH, Lebowitz MD, Gregg I, Miller MR, Pedersen OF. Peak expiratory flow: conclusions and recommendations of working party of the European Respiratory Society. Eur Respir J Suppl. 1997 Feb;24:2S-8S.

14. Fritscher CC. Pico de fluxo expiratório em escolares de Porto Alegre, RS: proposta para valores de referência. Rev Med PUCRS. 1996 Dez;6(4):19-23.

15. Almeida IP, Bertucci NR, Lima VP. Variações da pressão inspiratória máxima e pressão expiratória máxima a partir da capacidade residual funcional ou da capacidade pulmonar total e volume residual em indivíduos normais. O Mundo da Saúde São Paulo. 2008 Abr-Jun;32(2):176-82.

16. Leiner GC, Abramowitz S, Small MJ, Stenby VB, Lewis WA. Expiratory peak flow rate. Standard values for normal subjects. Use as a clinical test of ventilatory function. Am Rev Respir Dis. 1963 Nov;88:644-51.

17. Marshal A, Bauman A. The International Physical Activity Questionnaire: summary report of the reliability & validity studies. Produzido pelo Comitê Executivo do IPAQ. DRAFT IPAQ - Summary; 2001.

18. Craig CL, Marshall AL, Sjostrom M, Bauman AE, Booth ML, Ainsworth BE, et al. International Physical Activity Questionnaire: 12-Country Reliability and Validity. Med Sci Sports Exerc. 2003 Aug;35(8):1381-95.

19. Pardini R, Matsudo S, Araújo T, Matsudo E, Braggion G, Andrade D, et al. Validação do questionário internacional de nível de atividade física (IPAQ- Versão 6): Estudo piloto em adultos jovens brasileiros. Rev Bras Ci e Mov, 2001 Jul;9(3):45-51.

20. Mazo CZ, Benedetti TRB. Adaptação do questionário internacional de atividade física para idosos. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2010 Out;12(6):480-4.

21. Araujo AJ, Menezes AMB, Dórea AJPS, Torres BS, Viegas CAA, Silva CAR, et al. Diretrizes para cessação do tabagismo. J Bras Pneumol. 2004 Aug;30(Supl 2):S1-S76.

22. Halty LS, Hüttner MD, Oliveira Netto IC, Santos VA, Martins G. Análise da utilização do Questionário de Tolerância de Fagerström (QTF) como instrumento de medida da dependência nicotínica. J Bras Pneumol. 2002 Jul-Aug;28(4):181-6.

23. Spiandorello WP, Filippini LZ, Dal Pizzol A, Kreische F, Soligo DS, Spiandorello T, et al. Avaliação da participação de pequeno número de estudantes universitários em um programa de tratamento do tabagismo. J Bras Pneumol. 2007 Jan-Fev;33(1)69-75.

24. Mackay J, Erisksen M, Shafey O. El Atlas del Tabaco. 2th ed. Atlanta, Georgia; 2006.

25. Almeida LM, Szklo AS, Souza MC, Sampaio MMA, Mendonça AL, Martins LFL, organizadores. Global addult tobacco survey - Brazil report. Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Câncer; 2010.

26. American Lung Association [homepage on the Internet]. Washington (DC): AMA. Tobacco Policy Trend Alert. An emerging deadly trend: waterpipe tobacco use; 2007. [Adobe Acrobat document, 9p.] Disponível em: http://www.lungusa2.org/embargo/slati/Trendalert_Waterpipes.pdf.

27. Griffiths MA, Harmon TR, Gilly MC. Hubble bubble trouble: the need for education about and regulation of hookah smoking. J Public Health Policy. 2011;30(1):119-32.

28. Reveles CC, Segri NJ, Botelho C. Factors associated with hookah use initiation among adolescents. J Pediatr (Rio J). 2013 Nov-Dec;89(6):583-7.

29. MEC. Sinopse Censo Superior 2009 [Internet] [Citado 2014 Out 10]. Disponível em: http://www.inep.gov.br/superior/censosuperior/default.asp.

30. Fernandes JR, Hassegawa, Macedo F, Montenegro S, Rangel RM, Redondo Kl, et al. Análise comparativa do peak flow em indivíduos tabagistas e não tabagistas [Internet] [Citado 2008 Out. 20]. Disponível em: http://www.kathialr.hpg.com.br/ saude/10/index_int_12.html

31. Urrutia I, Capelastegui A, Quintana JM, Muniozguren N, Basagana X, Sunyer J. Smoking habit, respiratory symptoms and lung function in young adults. Eur J Public Health. 2005 Apr;15(2):160-5.

32. Kaczynski AT, Manske SR, Mannell RC, Grewal K. Smoking and Physical Activity: a systematic review. Am J Health Behav. 2008 Jan-Feb;32(1): 93-110.

33. Pietrobon RC, Barbisan JN, Manfroi WC. Utilização do teste de dependência à nicotina de Fagerström como um instrumento medida do grau de dependência. Rev HCPA & Fac Med Univ Fed Rio Gd do Sul. 2008;27:31-36.

34. Escobedo LG, Marcus SE, Holtzman D, Giovino GA. Sports participation, age at smoking initiation, and the risk of smoking among us high school students. JAMA. 1993 Mar 17;269(11):1391-5.

35. Rosemberg J. Nicotina: Droga Universal. São Paulo: SES/CVE; 2003.

36. Silveira TH. Narguilé, monóxido de carbono e nicotina: uma revisão [trabalho de conclusão de curso]. Novo Hamburgo: Universidade Feevale; 2010.

37. Nunes E. Consumo de tabaco. Efeitos na saúde. Rev Port Clin Geral. 2006;22:225-44.

38. Organização Mundial da Saúde. Tabagismo & saúde nos países em desenvolvimento. Tradução. Brasília: Instituto Nacional do Câncer; 2003.

39. Macedo LB, Ormond LS, Santos LLAG, Macedo, MC. Tabagismo e força muscular respiratória em adultos. ASSOBRAFIR Ciência. 2011;2(2):9-18.

40. Rodrigues ESR, Cheik NC, Mayer EF. Nível de atividade física e tabagismo em universitários. Rev Saúde Pública. 2008 Ago;42(4):672-8.

5dd541d70e8825b24cc8fca6 assobrafir Articles
Links & Downloads

ASSOBRAFIR Ciência

Share this page
Page Sections